Página Principal Revista EBS

Os robôs chegaram para assumir os cargos dos tomadores de decisões?

Robôs serão os novos decisores - Foto: Pixabay
Robôs serão os novos decisores - Foto: Pixabay
Em um cenário em que a tecnologia vem assumindo um papel cada vez mais de destaque, será possível assumir que os humanos serão substituídos pelas máquinas "pensantes"?

Muitos de nós somos contratados para tomar decisões. A base da teoria econômica é que as pessoas operam de maneira racional e lógica para maximizar seu potencial resultado. Na verdade, algumas pessoas se comportam de forma racional e tomam boas decisões. Mas de acordo com Daniel Kahneman, vencedor de um prêmio Nobel, somos ilógicos e inconsistentes; ele fala isso em seu livro ” Rápido e Devagar – Duas Formas de Pensar”.

O livro faz uma leitura desconfortável para especialistas ou executivos de empresas. Nosso cérebro depende de dois sistemas: um sistema de pensamento rápido, eficiente e subconsciente determinando a maioria de nossas decisões; e um sistema preguiçoso consciente mas pesado que intervém quando um pensamento mais rigoroso é necessário. O desafio é que o primeiro sistema funciona rapidamente e leva atalhos para que o segundo sistema geralmente não seja acionado. Esses atalhos se manifestam em nós todos, sendo preocupantemente erráticos em nosso julgamento.

Através de inúmeras experiências, o autor demonstra que as pessoas tomam decisões diferentes com base em alterar a forma como uma questão é enquadrada, o que elas viram nesse dia ou mesmo se elas estão com fome.
Você provavelmente pensa que é muito experiente ou inteligente para ser pego por truques tão simples, mas o erro grave acontece diante de nossos olhos. Pesquisa mostram os juízes do Tribunal Superior tomam decisões diferentes antes e depois do almoço; e Philip Tetlock, em seu livro “Expert Political Judgement” descobriu alarmantemente que “os especialistas” comentando sobre as tendências políticas e econômicas fizeram piores previsões do que pessoas leigas.

Felizmente, a ajuda está próxima: os robôs chegaram.

A chegada dos Robôs

Tecnologia como Big Data, AI, Machine Learning, Deep Learning e IoT estão rapidamente se tornando comuns. A sua combinação permite que as máquinas pensem e se comportem como seres humanos. Ou para ser mais preciso, não pensem como humanos. A tecnologia pode compreender linguagem natural, analisar informações, raciocinar como pessoas, tomar decisões e aprender o mais importante. O que diferencia as máquinas é que elas analisam zettabytes de dados em uma fração de segundos, não têm nenhum dos nossos preconceitos incorporados e “tomam decisões perfeitamente racionais e consistentes”.

Como Viktor Mayer-Schonberger e Keneth Cukier discutem em seu livro “Big Data”, os algoritmos simples que utilizam grandes conjuntos de dados bagunçados quase sempre superam os humanos na tomada de decisões. As organizações agora contam com máquinas para tomar decisões anteriormente feitas por pessoas. As empresas estão usando o IBM Watson para calcular bônus e aumentar os salários para funcionários com pouca intervenção humana. A UPS usa análises para planejar e otimizar rotas e agendamentos de manutenção economizando milhões de dólares e toneladas de emissões de dióxido de carbono no processo. O transporte antecipado da Amazon, modelo determina o que as pessoas irão comprar e enviam produtos aos seus centros de distribuição. Mesmo nas indústrias onde a opinião do “especialista” é rei, como a degustação de vinhos, as máquinas demonstraram fazer melhores julgamentos como demonstrado pelo algoritmo para prever o preço dos vinhos finos.

A capacidade preditiva dos computadores e a medida em que superam as pessoas só aumentarão. Então, isso é o fim da tomada de decisão humana nas organizações. Um futuro onde os computadores decidem e os humanos decretam?

O fim da tomada de decisão humana?

Essa visão provavelmente provocou uma reação emocional e imagens de computadores que governam o mundo. Se olharmos o emocional por um momento, seria importante propor alguns aumentos para líderes que mantenham algum nível de interação e controle no processo de tomada de decisão.

Em primeiro lugar, se permitimos que as máquinas executem nossas organizações em nossos sentimentos, estamos estabelecendo um caminho perigoso. Isso poderia levar a um futuro onde não há responsabilidade humana para as ações de empresas e líderes se esconder atrás dos algoritmos que estão “pensando” para eles. Imagine um mundo onde as máquinas podem tomar decisões levando a outro desastre da Enron ou crise financeira global. Sem responsabilidade individual ou repercussões, esses eventos se tornarão mais freqüentes e catastróficos.

Em segundo lugar, quanto mais nós transformamos as pessoas em dados, mais desumanizamos organizações que podem ser extremamente perigosas. Os líderes ainda mais removidos são das pessoas afetadas pelas decisões, mais fácil é tomar ações drásticas, como a promulgação de demissões. Isso poderia ter consequências extremas sobre a saúde, bem-estar e produtividade da sociedade.

Por fim, deixaremos de dirigir a sociedade para frente. Em um mundo de tecnologia sofisticada e de informação “perfeita” de fácil acesso, todos farão boas decisões e estratégias lógicas, mas semelhantes. As empresas serão extremamente mais produtivas e eficientes, mas infinitamente menos inovadoras. Nenhum algoritmo decidiria fazer o iPad, contratar Steve Jobs ou Bill Gates, desenvolver o Facebook ou criar uma ideia como a Airbnb. Ao longo do tempo, as organizações com uma superação em análises irão avançar de forma muito eficiente, mas incrivelmente, para a sua morte.

Então, melhor não confiar em analítica cegamente e manter algum controle? Bem, não é bem assim.
Precisamos trabalhar em conjunto com as máquinas e, embora não seja uma nova ideia, devemos considerar. Precisaremos de novos modelos de negócios e maneiras de trabalhar e não simplesmente substituir tarefas humanas por soluções automatizadas.

Repensando o futuro

Se o seu objetivo é simplesmente usar a tecnologia para redistribuir atividades atuais entre pessoas e robôs, você está perdendo o ponto.
Os computadores são infinitamente melhores em algumas coisas do que pessoas e vice-versa, então, com isso em mente, reimagine a sua empresa, seu trabalho.

Autorizar os robôs

Assim como você faz com os membros da sua equipe, confira aos robôs as tarefas em que são boas e deixe-as fazê-lo sem interferências. Isso inclui grandes partes de finanças, RH (especialmente recrutamento), marketing, cadeia de suprimentos, etc. Praticamente qualquer coisa operacional, e especialmente tarefas em que as pessoas fazem comentários como “precisa de juízo especializado” ou “instinto mental”.

Transparência

As decisões geradas por computador não podem ser tratadas como uma caixa preta. Atualmente, com as redes sociais e as plataformas de comparação, as pessoas exigem mais transparência. Os critérios utilizados para a decisão e as análises de alto nível para apoiar a decisão devem estar disponíveis e de fácil acesso.

Aumentar a responsabilidade do líder

Temos que nos acostumar com as máquinas a tomar decisões para nós e aceitar que, em muitas situações, eles façam um trabalho melhor. No entanto, libertar líderes de decisões onerosas significa que eles terão mais tempo para entender quais são as decisões tomadas e por quê. Os líderes terão maior visibilidade de mais das decisões em toda a organização e visibilidade importante dos critérios em que as decisões foram tomadas com confiança que foram aplicadas de forma justa.

As organizações devem configurar novos grupos internos para controlar regularmente algoritmos de auditoria e fornecer garantias. Algoritmos também devem ser regularmente revisados ??e atualizados para garantir que ainda estejam adequados.

Re-humanizar as organizações

O papel do líder precisa ser redefinido. Com o tempo liberado do dia a dia, o processo de tomada de decisão mundano deve levar mais tempo a liderar. Isso significa passar o tempo frente a frente com as pessoas; funcionários, clientes ou fornecedores. A tecnologia utilizada como facilitador para conectar líderes e pessoas não é o inverso, como parece ser o caso hoje. Conhecer pessoas e ouvir precisa se tornar uma parte do papel de um líder mais uma vez.

Inovar, Inovar, Inovar

Inovação e velocidade é a nova moeda de vantagem competitiva. As organizações devem criar novas unidades de negócios fora de seus processos de governança com o objetivo de inovar. O recrutamento deve ser pessoas que não se encaixam no algoritmo e devem ter liberdade para experimentar e permitir falhas “boas”. Essas unidades de negócios envolverão a comunidade fora dos muros da organização, proferirão ideias para selecionar as melhores opções e oferecer financiamento de sementes ou investimento de fontes de multidão. Isso permitirá a identificação da próxima ruptura ou gênio criativo que nenhum programa de computador pode encontrar.

Para cada função de oportunidades infinitas automatizadas, são criados novos papéis e indústrias. Mas isso nunca acontecerá enquanto nós apenas procuramos simplesmente substituir tarefas humanas por saídas geradas por computador. Precisamos redesenhar nossas organizações.

Relacionados
Centro de Convenções Royal Palm Hall

Royal Palm Hall abre vagas em diversas áreas

tecnologia e produtividade

Excesso de tecnologia pode prejudicar produtividade

gestão de rh

Comunicação empática moderniza a gestão de RH e aumenta a confiança

Certificação Top Employer - Foto: Assessoria

Reed Exhibitions Brasil recebe Certificação Top Employers inédita no setor de feiras

Profissões do futuro - Foto: Divulgação Assessoria

Descubra as 21 profissões do futuro