Página Principal Revista EBS

Não uso máscaras

Foto: user18526052/ Freepik
Protocolos? Sim! Mácaras? Hum... Não! - Artigo de Tony Coelho

Publicado em 09/12/2020

E assim falava, pensava, e agia, Marcovaldo.
Jovem, 25 anos, frequentador de praia e balada contumaz.
Super-homem dos sonhos de juventude.

Em meio à Pandemia, se viu forçado pela empresa a “Homeoficiar” o trabalho.
Jovem, inteligente e promissor, intelectualmente preparado para os meandros da Comunicação, trabalhava numa Agência, com séria tendência a virar Gerente de Área muito cedo.

Veio a Pandemia.
Em casa. Sem sair para nada, com os pais e os avós, se sentiu solitário.

Tornou-se o dono mimado do lar.
Criou regras, pois era quem mais entendia dos Protocolos.

Sair, só de máscara, e pela manhã, para pegar Sol e Vitamina D.

Todos!

Menos ele, que ficava acordado até às 5 da manhã, jogando LOL.
Daí, seu horário de saída era outro.
Quando acordasse e quisesse.

Ao entrar em casa, após a voltinha matinal, a regra era deixar o calçado do lado de fora, lavar as mãos com álcool em gel, entrar para um banho de higienização, colocar roupa nova, lavar as máscaras, pendurar na área, e só usar no dia seguinte.

Ele mesmo, esquecia.

De sair com a máscara. Estava no Condomínio.
Qual o problema se era área aberta?
Lavar as mãos, tomar o banho, lavar as máscaras, pendurar.. . Esquecia.
Voltava cansado e ia deitar no seu santo e imaculado quarto, que ele também não limpava.

A mãe pegou Covid no trabalho e ficou de quarentena no quarto, por 14 dias, para não contaminar ninguém da família. O controle da chave era de Marcovaldo, o médico da casa.

Fez um estudo sobre o vírus e depois de 15 dias, fez uma reunião em família para informar suas conclusões.

Vocês, meus amores, são do Grupo de Risco. Passarão a usar máscara em casa.
Já comprei um monte.
Eu, como sou jovem, sem comorbidades, saudável, ivermectinado e cheio de A, B, D e E, portanto vitaminado, não precisarei usar.
Assim, protejo vocês e vocês me protegem.

Com informações sabe-se lá de quem ou onde, passou a fazer encontros com, no máximo, 8 amigos de até 25 anos, em casa, pois eram imunes.

Cansou! Passaram a fazer encontros na rua, em bares, praias, festas… sem máscaras.

Brigou geral com os velhos, quando foi descoberto que todos estavam com COVID em casa, menos ele. Teve certeza de que deixaram de seguir suas instruções.
Não usavam máscaras quando ele saia. Só podia ser.

Moral da história:

Avós internados, vovó não resistiu a uma infecção.
Vovô e papai saíram sem nada depois de internados.
Mamãe ficou bem em casa.
E, hoje, receberam a notícia de que Marcovaldo não resistiu ao vírus.

Logo ele, o mais novo, o mais forte, o que não era mascarado.

Foi-se embora, de máscara, entubado.
Máscara não tem idade. Nem cuidados.

A vacina vai chegar já, já.

Enquanto isso, fique em casa e ensine aos mais jovens que vírus e sabedoria não pedem certidão de nascimento e às vezes, “os últimos são os primeiros.”

Autor(a)

Tony Coelho

Tony Coelho

Palestrante, Consultor, Criativo, Professo, Conselheiro da Ampro e Home Officer convicto

Relacionados

Eleve Design de Experiências é Agência do Ano no FIP

Ampro Live Festival

Inscrições para o AMPRO Live Festival terminam em 16/dezembro

Ampro Live Festival

AMPRO Live Festival traz importância do conteúdo em tempos desafiadores

Azul fará transporte gratuito das vacinas para Covid-19

Suspensas as autorizações para a realização de shows e eventos em BH

ACuca anuncia novo posicionamento e investe em equipe

Eventos têm novas restrições com recuo de SP para Fase Amarela

united-kingdom

Reino Unido permitirá grandes eventos de negócios com capacidade para 4.000