Página Principal Revista EBS

O novo – e nobre – papel das empresas

Foto: Freepik
O engajamento das empresas em torno da valorização dos princípios ESG - o retorno dos lucros através de outras ações

Publicado em 27/09/2021

Benemerência e filantropia existem desde sempre. Muitas empresas já adotam essas práticas há tempos. Mas, com o crescimento da valorização da atuação empresarial em torno dos princípios ESG (Enviromental/Meio ambiente, Social/Responsabilidade social, governance/Governança), mesmo as empresas mais ávidas pelo lucro e pragmáticas quanto sua atuação empresarial, focada na agressividade e resultado, reveem sua estratégia, procurando reservar parte do lucro para ações em benefício da sociedade, e não só seus acionistas.

Não que o lucro seja algo “pecaminoso”, ao contrário, ele continua sendo a essência do capitalismo e a garantia de perenidade das empresas. A diferença é que o capitalismo selvagem parece estar dando lugar ao capitalismo consciente, empático, bom para todos os stakeholders.

Se o fazem puramente por nobres princípios ou simplesmente para se adequar à onda de valorização de uma atitude menos sovina, o importante é que cada vez mais empresas incluem nos seus planos ações sintonizadas aos princípios ESG.

É previsível que as empresas que permanecerem insensíveis às demandas da sociedade e só pensarem no seu lucro, tendem a ser preteridas por consumidores cada vez mais atentos e engajados na luta por um mundo mais empático e solidário.

O que me faz acreditar na consistência dessa nova onda de ações empresariais positivas para a sociedade são os exemplos que vêm das maiores premiações de marketing e comunicação do mundo.

Já enfatizei, aqui mesmo, a característica predominante dos cases mais premiados no Cannes Lions 2021, destacando ações em benefício de pessoas com algum tipo de deficiência ou aquelas voltadas à proteção do meio ambiente ou ainda as iniciativas contra o preconceito e em benefício da inclusão social.

Agora, acabo de julgar os prêmios máximos do AME New York Festivals, competição internacional, da qual fiz parte do júri. E o que vejo por lá é uma continuidade do que presenciamos no Cannes Lions e demais festivais internacionais: cases que geram “positive impact” na sociedade se destacando na premiação.

A concepção mais sensível e engajada de produtos, como o caso da Crayola, empresa americana de lápis e canetas, que criou a linha Colors of the World, com um estojo de lápis com uma paleta de cores muito mais ampla, para que crianças negras, mulatas e amarelas se identificassem ao se retratar em desenhos com os lápis da empresa.

Não seria nada demais, não fosse a campanha emocionante, colocada no ar pela empresa, mostrando crianças felizes, de etnias diferentes, por se verem respeitadas nas cores dos lápis.

O Cannes Lions 2021 já tinha premiado com dois Grand Prix a iniciativa da empresa Woojer, que criou um colete que vibra com música, ajudando crianças com fibrose cística a eliminar o muco dos seus pulmões de forma agradável e divertida.

O mesmo festival, em 2019, havia atribuído Grand Prix à loja de móveis e decoração Ikea, que criou uma linha de acessórios para adaptar seus móveis a pessoas com diferentes tipos de deficiência física. Alguns poderão argumentar que essas empresas estão simplesmente ampliando suas linhas de produtos para vender mais.

E aí é que está o ponto: vender mais e lucrar não é pecado. O que há de novo é o pensamento empático, dedicado a minorias e a grupos menos favorecidos de consumidores, em vez de o grupo dominante. Não é benemerência, é uma nova forma de pensar seus negócios.

Como, por exemplo, a Starbucks brasileira que abriu suas portas a pessoas trans, ajudando-as no processo de mudança de nome. Essa postura pode até gerar controvérsia e afastar alguns mais conservadores, mas as empresas estão impelidas a se posicionar e ter uma atitude concreta e corajosa em benefício da sociedade, como um todo.

São atitudes assim que vão criar um mundo melhor. Devemos todos valorizar essas empresas sensíveis e empáticas! Quanto a mim, faço parte do coletivo Criativista, que visa destacar e apoiar essas iniciativas. Vamos juntos!

Alexis Thuller Pagliarini é presidente-executivo da Ampro (Associação de Marketing Promocional) (alexis@ampro.com.br)

Artigo publicado originalmente no Propmak

Autor(a)

Alexis Pagliarini

Alexis Thuller Pagliarini é presidente-executivo da Ampro (Associação de Marketing Promocional) e especialista em processos de Design Thinking e Criatividade. É também Past President da MPI Brazil e do Comitê de Marketing do WTC Club. Faz parte do Advisory Board do CMO Council - LATAM. Assina a coluna Beyond the Line do PROPMAK.

Relacionados

Por que a retomada ainda não decolou?

AMPRO Globes Awards bate recorde de inscrições

Inovações da área de recursos humanos

Mercoagro é adiada para setembro de 2022

Quanto mais tecnologia, mais humanos precisamos ser

Feira EBS 2021 abre credenciamento

Feedback em tempos de home (e anywhere) office

Uma das maiores feiras de estética da América Latina está de volta