Página Principal Revista EBS

As tendências para os espaços de eventos: Venues 2.0

SEOUL, SOUTH KOREA - MARCH 15: Dongdaemun Design Plaza is a modern architecture in Seoul designed by Zaha Hadid.Photo taken March 15,2015 in Seoul, South Korea.
Com novo posicionamento, locais que recebem eventos de diversos portes começarão a oferecer serviços de logísticas, gestão e conexão, antecipa UBRAFE

Publicado em 27/06/2023

Com o advento das transformações tecnológicas e o aumento das exigências relacionadas ao setor de eventos, as origens das receitas das venues devem se alterar de forma significativa nos próximos anos.

Os recintos, que sempre tiveram uma participação mais passiva nos eventos, com receitas diretamente ligadas à da locação e, às vezes, com atividades correlatas, como estacionamento e venda de comidas e bebidas para os visitantes, já prometem ofertar aos locatários e visitantes serviços que ultrapassam a disponibilidade de Wi-Fi e energia.

“A tendência é que esses locais se posicionem como provedores totais para um bom funcionamento e gestão dos eventos B2B e B2C. Seu foco será direcionado à eficiência, verticalização das receitas e baixa pegada no carbono, princípio importante do ESG”, afirma Paulo Octavio Pereira de Almeida, P.O, diretor-executivo da UBRAFE – União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios.

Serviços de montagem e desmontagem, que eram unicamente exercidos por empresas terceirizadas, também devem passar a ser oferecidos como opção adicional aos promotores, segundo P.O. Outra opção, serão os serviços que contribuirão com o destino correto de resíduos gerados nos eventos, contribuindo com a sustentabilidade e diminuindo o impacto negativo ao meio ambiente.

“Então, esses espaços poderão agregar receitas de logística ou, ainda, receitas de gestão, com a oferta de mão de obra temporária para a operacionalização dos eventos nas suas instalações”, complementa o diretor-executivo da UBRAFE.

Mesmo após o retorno dos eventos presenciais, outro serviço que passará a ser oferecido pelas venues será o de transmissão ao vivo ou on demand dos eventos, para conectar as diversas audiências, o que deverá se tornar uma nova receita de conexão para esses espaços.

“Essas novas receitas para os recintos mediante a oferta de serviços adicionais, unificados e essenciais para os eventos, contribuirão positivamente para todos os envolvidos na cadeia – fornecedores, promotores e clientes. As venues 2.0, vão operar além da locação, com consciência sustentável e proativa, dando excelência ao evento e uma experiência agradável e completa aos visitantes”, finaliza Paulo Octávio Pereira de Almeida.

A UBRAFE é a entidade que representa o setor de promoção comercial nacional e internacionalmente junto a todos os segmentos da economia brasileiras. Apresenta ao mercado e ao governo a importância e os números do setor. Em seu quadro de associados estão as maiores empresas do sistema expositor brasileiro. Anualmente, as feiras com a marca UBRAFE reúnem cerca de 32 mil expositores nacionais e 6 mil expositores estrangeiros, mais de 100 mil marcas, que atraem um universo de mais de 7,5 milhões de visitantes. Abrangendo os mais variados setores da economia, representam 90% da ocupação em pavilhões de todos os eventos de promoção comercial realizados no Brasil. 

Relacionados

Networking setorial em foco: o impacto do Speed Meeting 2023 no setor MICE, RH e T&D

UBRAFE leva missão oficial para representar o Brasil no evento UFI Global pela primeira vez

Expo Favela Innovation Brasil grande evento acontece no Expo Center Norte, em São Paulo

RX reduz 40% do lixo em seus eventos no Brasil