Página Principal Revista EBS

ABEOC Brasil tem parceria com Câmara Nacional de Arbitragem de Eventos e Turismo

foto: Pixabay
Rapidez e confiabilidade nas decisões devem ser o rumo das ações

Publicado em 15/06/2021

A ABEOC Brasil fechou parceria com Câmara Nacional de Arbitragem dos Eventos, mais um benefício para os associados. Amplamente usadas em diversos países, as câmaras de arbitragem vêm resolver conflitos sem a necessidade de ações judiciais. Rapidez e confiabilidade nas decisões.  

“Estamos sempre em busca de novos caminhos que visem facilitar os negócios e proteger nossos associados. Essa nova parceria visa contribuir ainda mais nesses tempos turbulentos que vivemos e, no futuro próximo, representar um grande avanço para o setor”, assegurou a presidente da ABEOC Brasil, Fátima Facuri. 

Os setores que poderão se beneficiar da Câmara Nacional de Arbitragem de Turismo e Eventos são: Agências, Operadoras, Cias Aéreas, Hotelaria, Transporte Marítimo/Fluvial, Transporte Terrestre, Locadoras, Entretenimento, Seguros de Viagem, Tradutores e Intérpretes de Línguas e de Sinais, Serviços Públicos, Parques Nacionais, Congressos, Convenções, Viagens de Incentivo, Feiras, Lançamentos de Produtos, Eventos Artísticos, Corporativos, Promocionais, Palestrantes, Conferencistas, A&B Catering e outros no âmbito dos Eventos.   

VANTAGENS DE DEFINIR A CÂMARA DE ARBITRAGEM NOS CONTRATOS:  

  • Evitar chegar o nome das empresas/entidades à esfera jurídica e publicação no Diário Oficial; 
  • Evitar constar positivo em “Ações Judiciais” nas consultas à órgãos como SERASA e outros; 
  • Não se submeter às 4 Instâncias que temos no Brasil:   Juízo Comum; Tribunal Estadual ou Regional; STJ Superior Tribunal de Justiça; STF Supremo Tribunal Federal e seus inúmeros recursos; 
  • A CNA EvTur aplica os MESC’s (Métodos Extrajudiciais de Solução de Conflitos) que são a Conciliação/Arbitragem;  
  • Os Contratos são fontes das obrigações e serão analisados em respeito aos Princípios: autonomia, consensualismo, cumprimento e boa-fé. 
  • Economia de tempo e dinheiro, além de sigilo absoluto; 
  • Atuação com ética, responsabilidade, disciplina, honestidade e bom senso; 
  • Respeito ao princípio da Justiça e em favor da Cidadania. 
  • Pela Lei nº 9.307/96 no seu art. 18: O Árbitro é juiz de fato e de direito, e a sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou à homologação pelo Poder Judiciário”; 
  • A mesma Lei nº 9.307/96 no seu art. 1º: “As pessoas capazes de contratar poderão valer-se da Arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis”; 
  • Ainda na Lei nº 9.307/96 no artigo 23: “A sentença Arbitral será proferida no prazo estipulado pelas partes.  Nada tendo sido convencionado, o prazo para apresentação de sentença é de seis meses, contado da instituição da arbitragem ou da substituição do árbitro”.  

Fonte: Assessoria

Tags:

Relacionados

Lideranças avaliam turismo corporativo em 2022

Maior feira de soluções para saúde do mundo realiza primeira edição presencial no Brasil

Feira EBS anuncia 80% de comercialização da planta 2022

Eventos cadastrados no Calendário do MTur mais que triplica em dois meses

ESTÉTICA IN RIO mostra um mercado propício aos bons negócios

GL events tem nova estrutura organizacional no Brasil

“ESG – Estamos ESGotados”- AMPRO expõe condutas equivocadas

As soluções apresentadas pelas eventechs serão tema do Congresso MICE Brasil 2022