Página Principal Revista EBS

Livro “Reinventing Live: The Always – On Future of Events”, Denzil Rankine e Marco Giberti

Esqueça os eventos como experiências pontuais e os organizadores apenas organizando eventos.

Bem-vindo a um novo mundo, onde os organizadores de eventos não se veem mais como puros organizadores; em vez disso, seu papel é facilitar – negócios, conexões, educação e advocacia.

Os eventos têm tudo a ver com construir comunidades e cultivar relacionamentos com os clientes ‘durante todo o ano’ – com o uso da tecnologia de eventos em seu núcleo. Tanto que as plataformas digitais com comunidades já altamente engajadas estão adicionando eventos como uma extensão perfeita de seus serviços. Com mais concorrência, é imperativo que os organizadores ajudem a mudar a mentalidade de suas organizações.

Eles estão no negócio de eventos ou catalisadores comunitários de valor agregado?

Os autores Denzil Rankine e Marco Giberti viram de tudo em seus 30 anos de consultoria, operação e investimento na indústria global de exposições e eventos. Com base em dezenas de entrevistas com executivos seniores, empreendedores e investidores, este livro está repleto de estudos de caso práticos que equiparão os leitores com novas estratégias, ferramentas e insights que podem ser aplicados em suas funções diárias.

Este livro é uma leitura obrigatória para profissionais de gerenciamento, marketing e eventos de nível C, ou para qualquer pessoa que queira participar da indústria de eventos.

Relacionados

Digitalks Expo: de tecnologia aeroespacial até o uso de inteligência artificial em redes sociais

Desenvolve RJ chega a Macaé com captação e negócios

EXPO Cidades Criativas Brasileiras reúne iniciativas de sucesso em Santos (SP)

Livro “Os 10 pecados Mortais do marketing: Sintomas e Soluções”, Philip Kotler

Unibes será beneficiada pelo 23º Salão de Arte, no Clube Hebraica

Primeira edição da BRASMIN se consolida como uma importante feira de mineração no Brasil

Boa gestão de negócios causa impactos positivos

Novos tempos exigem novas formas de nos comunicar