Página Principal Revista EBS

Indústria de feiras encolheu 68% em 2020, segundo estudo

Foto: Freepik
Uma análise global da indústria de exposições no mundo em 2020

Publicado em 09/02/2021

O estudo “O impacto da COVID-19 sobre a indústria global de exposições em 2020” foi lançado pela UFI (Associação Global da Indústria de Exposições) recentemente através do 26º Barômetro Global.

Segundo o estudo da UFI, 2020 foi um ano doloroso de forte contração para o setor – uma queda de 68% em relação aos números de 2019. Como era de se esperar, os lucros também caíram em 2020, variando de 47% na região da Ásia-Pacífico e Europa, 50% na América do Norte, 58% no Oriente Médio e África e 64% na América Central e do Sul.

Esta última edição de 191 páginas do Barômetro Global foi compilada com base em dados de 457 empresas em 64 países e regiões e oferece perspectivas e análises para 24 países e regiões. Além disso, analisa cinco zonas regionais agregadas.

As estimativas são de 2,4 milhões de empregos em tempo integral (com bons salários) foram afetados, com 54% dos entrevistados dizendo que tiveram que reduzir sua força de trabalho. Se somarmos as empresas que recebem apoio governamental, o número sobe para 74% do total.

Além da força de trabalho, quem sofre com a falta de feiras e exposições são as pequenas e médias empresas que dependem de exposições e feiras para grande parte de seus negócios anuais. Os números incluem o efeito na maioria dos países e regiões sem um dos principais motores da indústria, na ordem de mais de US$ 370 bilhões.

Mas, como fica a indústria de feiras e exposições?

A pandemia, com razão, continua a ser a maior preocupação dos entrevistados, seguida pela situação da economia de mercado doméstica, desenvolvimentos econômicos globais e, em quarto lugar, está o impacto da digitalização. 

A digitalização teve um aumento de apenas 1% na taxa de juros desde o último Barômetro Global, há seis meses. 

Com tantas discussões em andamento em toda a indústria sobre digital, híbrido e sua monetização, era esperado até uma porcentagem maior quando o assunto é digital.

Olhando para o futuro, as empresas estão mais esperançosas, acreditando no poder do face a face, com 64% (em comparação com 57% seis meses atrás) confiantes de que “COVID-19 confirma o valor dos eventos face a face” antecipando que o setor se recuperará rapidamente, assim que for reaberto. 

Esses números positivos são ainda maiores nas regiões do Oriente Médio / África e Ásia / Pacífico.

De acordo com o Barômetro Global, “Em todas as regiões, a maioria das empresas espera que as exposições“ locais ”e“ nacionais ”abram novamente até o final de junho de 2021, no máximo. Mas isso não é esperado até o segundo semestre de 2021 para mostras internacionais. As operações da empresa também incluem (para muitas empresas, enquanto eventos presenciais não são possíveis), trabalhar no desenvolvimento de soluções digitais.”

Acesse o estudo na íntegra.

Fonte: UFI – Associação Global da Indústria de Exposições

Relacionados

Oktoberfest é cancelada novamente

Show-piloto: bons tempos de volta na Inglaterra, pelo menos por uma noite

Biografia conta a história do criador das Feiras de Negócios no Brasil e sua influência na economia

Em Barcelona, show teste para 5.000: não há sinal de contágio de Covid-19

SP poderá ter eventos com 25% da capacidade na fase de transição

Alívio na pandemia: plano de recuperação para os setores de eventos e de turismo é aprovado no senado

Covid escancara desigualdades e impõe desafios à gestão de RH

Show reúne 5.000 pessoas em Barcelona, após testes de covid-19