Página Principal Revista EBS

A estratégia de Employer Branding na atração e retenção de talentos

Foto: Katie White | Pixabay
O tema ganha cada vez mais espaço na agenda de prioridades das áreas de Recursos Humanos

Publicado em 23/08/2020

Em um cenário onde os talentos são cada vez mais valorizados – e disputados – pelas empresas, o tema Employer Branding ganha cada vez mais espaço na agenda de prioridades das áreas de Recursos Humanos. Mas ainda há muitas dúvidas do que realmente significa o termo.

Você sabe do que se trata?

Employer Branding, ou gestão de marca empregadora, é a expressão usada para descrever a reputação de uma empresa como empregadora, que é diferente de como ela é vista comercial ou institucionalmente. Em outras palavras, pode ser definida como a imagem de uma organização como um ótimo lugar para se trabalhar tanto para a atração de talentos quanto para a retenção dos mesmos, ou seja, para colaboradores, candidatos e todo o ecossistema.

Foi na década de 90, mais precisamente em um artigo publicado em 1996 por Simon Barrow – então chairman da Revista People & Business – e Tim Ambler para o Journal of Brand Management, que surgiu a expressão “Employer Branding”, fazendo a ligação entre estratégias de gestão, branding e marketing com recursos humanos. Desde então, milhares de empresas e profissionais têm tentado adotar o conceito para atingir os objetivos reais de negócios em relação aos talentos.

Conceitualmente, as ferramentas usadas na construção e gestão da marca do empregador são praticamente um espelho das técnicas usadas pelas áreas de marketing na gestão das marcas das empresas na mente e no coração de consumidores e clientes, ou seja, as áreas de Recursos Humanos vêm aplicando conceitos para atrair candidatos, engajar funcionários e reter seus principais talentos da mesma forma que o marketing se preocupa em atrair e reter clientes e consumidores. Não é à toa que encontramos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação liderando as iniciativas de marca empregadora em muitas organizações.

Mas diferente do que ocorre na gestão de marcas feita pelas áreas de Marketing, que se concentra na reputação e posicionamento externo dos atributos da empresa, a atratividade da marca do empregador é resultado da combinação de dois mundos: dos atributos compartilhados pelos seus colaboradores e da reputação da marca percebida como empregadora pelo mercado.

E o que uma boa gestão de marca empregadora pode oferecer para sua empresa? Segundo o Linkedin, uma boa estratégia de Employer Branding garante até 3,5 vezes mais aplicação de candidatos às suas vagas de emprego em um processo seletivo e chega a diminuir até 11% o turnover (taxa de rotatividade) dos seus colaboradores.

Os benefícios que a boa reputação de uma marca empregadora gera, se estiverem realmente alinhados às estratégias de negócios, são efetivos, reais e de longo prazo. Trabalhar Employer Branding nas empresas não é mais uma questão de diferencial, mas sim de sobrevivência na disputa pelos talentos.

E você, está gerindo a reputação da sua marca empregadora ou deixando que o mercado a gerencie por você?

Brand or be branded.

Relacionados

Networking setorial em foco: o impacto do Speed Meeting 2023 no setor MICE, RH e T&D

Conexões estratégicas entre os players de eventos corporativos e rh/treinamentos no Rio e Campinas

Rodada de negócios movimento o segmento MICE no Rio de Janeiro

49ª edição do Conarh acontece em São Paulo