Página Principal Revista EBS

Copa América: é boa para o Brasil?

Foto: Alessandra Barbieri/Pixabay
Qual o propósito em sediar Copa América no Brasil no cenário atual?

Publicado em 01/06/2021

Não há mínima dúvida sobre a importância do Esporte para economia e para a vida das pessoas. Do lado psico-sociológico, o esporte representa para as pessoas: fuga psicológica da realidade/evasão psicológica; alternativa contra a saturação e mesmice rotineira; compensação aos fracassos e frustrações; extravasão de agressividade; alternativa para integração/projeção social. Todos esses atributos são ainda mais importantes num momento de restrição e isolamento das pessoas, por conta da pandemia.

No campo do marketing, o esporte também é uma ferramenta poderosa. Que marcas não gostariam de se associar e absorver para si atributos poderosos como: energia, vibração, diversão, juventude, descontração, beleza, alegria, emoção, plasticidade, congraçamento, vitalidade, saúde, superação, força, entretenimento?

Quando o Brasil conquistou o direito de sediar duas das maiores competições esportivas mundiais – Copa do Mudo de Futebol, em 2014, e Olimpíadas, em 2016 – havia, portanto, a esperança de que esses megaeventos fossem um catalisador da economia e da imagem do país, catapultando-o à posição de um dos expoentes mundiais. Infelizmente, por diversas razões, o Brasil não conseguiu se aproveitar do legado que tais competições poderiam deixar para o desenvolvimento do país.

Pois bem, a polêmica agora é a intenção de sediar a Copa América, já que os países o fariam – Argentina e Colômbia –, se declaram sem condições. Num movimento com jeito de oportunismo, o país se apresenta como opção. A CBF aceitou a incumbência e acionou o governo federal para encampar a ideia. Como devemos analisar essa “oportunidade”?

Sob a ótica da pandemia, as contundentes críticas devem ser vistas com certa reserva. São apenas 10 equipes, que seriam divididas em diversas cidades-sede, o que diminuiria muito os riscos de potencialização da contaminação.

Além disso, seria condição sine qua non que todos chegassem já vacinados, o que diminui ainda mais os riscos. Não podemos nos esquecer que o Brasil vem realizando jogos do Brasileirão e da Copa do Brasil, com um calendário bastante intenso. Seria, portanto, um tanto quanto contraditório criticar a realização de um torneio que envolve 10 equipes, em sedes espalhadas.

Mas a análise mais importante não está no campo da pandemia. Quais os benefícios reais que um torneio como esse traz ao país-sede? Se houvesse a previsão de público nos estádios, teríamos a movimentação econômica, advinda do turismo e dos gastos dos visitantes nas cidades-sede. Mas isso não será possível.

Também não haverá ativações de marcas de patrocinadores, por conta das mesmas limitações. Restam então as transmissões dos jogos. Mas essa movimentação já ocorre, independentemente do local-sede dos jogos.

Então, qual a vantagem em trazer os jogos para o Brasil? Seria uma cortina de fumaça para encobrir problemas muito mais graves de um país que não consegue controlar a pandemia, o desmatamento e outras mazelas? Seria uma forma de dar circo ao povo que carece de pão?

Autor(a)

Alexis Pagliarini

Alexis Thuller Pagliarini é presidente-executivo da Ampro (Associação de Marketing Promocional) e especialista em processos de Design Thinking e Criatividade. É também Past President da MPI Brazil e do Comitê de Marketing do WTC Club. Faz parte do Advisory Board do CMO Council - LATAM. Assina a coluna Beyond the Line do PROPMAK.

Relacionados

Por que a retomada ainda não decolou?

AMPRO Globes Awards bate recorde de inscrições

Retomada da indústria dos eventos corporativos com rodadas de negócios presenciais

AMPRO alerta agências sobre vigência das punições da LGPD

Carta de Santos é assinada por entidades da Indústria de Eventos

Os impactos da COVID-19 e as perspectivas de 2021 para o setor de feiras e eventos de negócios

EXPO RETOMADA recebe mais de 800 visitantes testados em Santos

Agile Marketing para agências e clientes na AMPRO Saber