Página Principal Revista EBS

Turismo brasileiro perdeu R$ 261,3 bilhões em 10 meses

Foto: Pixabay
Com perdas entre março e dezembro, turismo deve recuar 36,8%.

Publicado em 13/01/2021

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aumentou de 7,6% para 8% a projeção de recuo no volume de receitas dos serviços em 2020, em função do ritmo lento de reação do setor. Confirmada a previsão, este será o pior resultado anual da série histórica da PMS, iniciada em 2012.

A estimativa tem como base os dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) de novembro, divulgada nesta quarta-feira (13/1) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Diante da expectativa de crescimento econômico este ano e de uma base comparativa, a CNC prevê que os serviços voltem a crescer em 2021 (+3,7%).

“Apesar dos estímulos para a recuperação do nível de atividade econômica, os serviços ainda apresentam uma retomada distante dos níveis de outros setores, como comércio e indústria. Mas seguimos acreditando que este ano será melhor, sobretudo com o início da vacinação contra o novo coronavírus”, afirma o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Segundo a PMS, o volume de receitas dos serviços cresceu 2,6%, em relação a outubro, já descontados os efeitos sazonais. Foi o sexto avanço consecutivo do setor, após acumular retração de quase 20% entre março e maio. Na comparação com novembro de 2019, houve variação negativa (-8,3%) pelo nono mês consecutivo.

Turismo no Brasil

Todos os grupos de atividade apresentaram crescimento em novembro. Os destaques foram os serviços prestados às famílias (+8,2%) e os serviços profissionais, administrativos e complementares (+2,5%). O transporte aéreo também avançou (+6,8%), porém segue 38% abaixo do faturamento médio do primeiro bimestre de 2020 – antes da pandemia. “Estas defasagens do volume de receitas em relação ao início do ano passado reforçam a percepção de que o turismo é, de longe, o setor mais afetado pela queda do nível de atividade ao longo do surto de covid-19”, ressalta Fabio Bentes, economista da CNC. Mesmo tendo crescido pelo sexto mês consecutivo, as atividades do turismo ainda se encontram 30% abaixo do nível pré-pandemia. “A expectativa é que o setor não consiga recuperar as perdas antes do fim de 2022, devendo registrar queda de 36,8% em 2020”, completa o economista.

A CNC calcula que, em 10 meses (de março a dezembro), o turismo brasileiro perdeu R$ 261,3 bilhões – o equivalente a mais de quatro meses de faturamento.

Os dados de emprego do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que, de março a novembro de 2020, 437,9 mil postos formais de trabalho foram eliminados no setor, o que representa uma queda de 12,5% na força de trabalho dessas atividades.

“Atualmente, o turismo brasileiro opera com 42% da sua capacidade mensal de geração de receitas”, indica Bentes.

Fonte: CNC

Relacionados

Como a Alpargatas conseguiu conectar 17 mil colaboradores ao redor do mundo através de uma empresa líder de soluções em nuvem

Lideranças avaliam turismo corporativo em 2022

Destinos confirmam participação na Feira EBS 2021

Foz do Iguaçu será primeiro destino turístico brasileiro com 100% da população vacinada

Sanção presidencial do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos – PERSE

ABAV detalha ações para a retomada

Impactos da pandemia nas viagens corporativas: balanço e perspectivas

WTM Latin America 2021 anuncia nova data