Página Principal Revista EBS

Sejamos resilientes!

Em tempos de COVID-19, a resiliência pode ser chave a superação de desafios e fortalecimento

Uma das características mais valorizadas pelas organizações atualmente é a resiliência, que pode ser definida como a capacidade de superar adversidades, sem carregar consigo, sentimentos negativos.

A palavra resiliência vem do latim, do verbo resilire, e significa “voltar ao seu estado original”. Ou seja, pode ser compreendida como a habilidade de retomar seu funcionamento natural, especialmente após atravessar situações críticas ou difíceis.

Em tempos de cancelamentos e adiamentos devido ao novo coronavírus (COVID-19), a resiliência pode ser chave para a empresa superar desafios e sair fortalecida mesmo em tempos difíceis e sob alta pressão.

O que é resiliência?

A resiliência é um termo utilizado originalmente na Física, quando exprime a capacidade que alguns materiais têm de retornar ao estado original, mesmo depois de submetidos a alguma deformação.

Com pessoas, esse conceito é muito semelhante, pois significa a capacidade de superar dificuldades com resultados produtivos. A diferença, nesse caso, é que se depois da experiência a pessoa retornar ao seu estado “original”, ela não aprendeu o suficiente com o que viveu.

Nesse sentido, o ideal é que pessoas que tenham sido submetidas a experiências transformadoras consigam passar por isso de forma produtiva para que, ao final, sejam diferentes do que eram. Logo, resiliência também pode ser vista como uma habilidade de enfrentar problemas com soluções criativas e ainda aprender com isso.

Equipes resilientes

Equipes resilientes podem resistir aos desafios de um ambiente ou situação em constante mudança. Tudo graças ao desenvolvimento de algumas habilidades importantes.

Paula Boarin (foto: Divulgação)

“O profissional resiliente é aquele que aprende, se recupera rápido, toma decisões rapidamente e que consegue seguir em frente mesmo com as frustrações”, afirma Paula Boarin, empreendedora, mentora de carreira, especialista em marca pessoal e professora universitária nas áreas de Marketing e Recursos Humanos.

Na opinião da especialista, aqueles profissionais que desenvolveram a verdadeira resiliência conseguem ver nas dificuldades uma oportunidade de aprendizado e crescimento.

As pessoas resilientes não estão isentos à mudança nas organizações, porém são menos afetadas por ela, pois tendem a ser mais produtivas nesses períodos.

Resiliência em período de epidemias

Alexis Pagliarini (foto: Divulgação)

“Podemos dizer que o brasileiro é resiliente por natureza”, afirma Alexis Pagliarini, presidente executivo da Ampro (Associação de Marketing Promocional). De acordo com ele, historicamente, os brasileiros têm enfrentado crises de todos os tipos, o que os torna um povo de muita resiliência. Desta vez, porém, o cenário é bastante desfavorável. “Sabidamente, o primeiro bimestre é muito fraco para eventos. E, quando todos se preparavam para um período mais favorável, veio a crise. É uma tempestade perfeita! Mas a resiliência é mais efetiva quando há união. A Ampro está fazendo de tudo para ajudar as agências a superar mais essa crise de forma coletiva”, completa.

Passar pela experiência com o novo coronavírus (COVID-19) com certeza ajudará o setor de feiras e eventos a criar protocolos que minimizam a disseminação do coronavírus e outras epidemias. Isso é resiliência!

Como resposta à vivência a este período de pandemia global, a resiliência e o fortalecimento das organizações e empresas fomentam a inovação, alternativas jurídicas e novos modelos de gestão de crises como essa.

“Entendo a resiliência como uma habilidade desenvolvida ao longo da vida. E, como habilidade comportamental, entra no ‘roll’ das mais lentas e difíceis de desenvolver. Tudo depende da forma que o gestor aprendeu ou foi ensinado a lidar com os problemas: pode ter sido desde a infância, na base de sua formação na família, ou profissionalmente, ao longo da carreira, de forma mais técnica”, explica David Reck, CEO da Reamp, empresa especializada em marketing programático.

De acordo com Reck, em momentos de caos as pessoas tendem a desenvolver comportamentos extremos de negação ou de desespero. “O ‘segredo’ está em racionalizar a situação e buscar encontrar saídas e alternativas. Ao mesmo tempo, lidar com o que não possui solução: aí, simplesmente, se desvia do problema em vez de tentar resolvê-lo. Porém, para isso, o que ajuda muito é o quão fortalecida é a estrutura das pessoas envolvidas e da empresa: seja na saúde, na cultura interna ou na situação financeira”.

Por isso, é importante aproveitar os bons momentos para se estruturar em todos os sentidos, e ter forças para encarar estes momentos difíceis, que serão superados. “Ao final, irão gerar um aprendizado e um fortalecimento ainda maiores, para enfrentar novas situações”, destaca o especialista em marketing programático.

Segundo o presidente executivo da Ampro, para se recuperar de situações difíceis, como nesse caso do COVID-19, e dar a volta por cima desse problema, as empresas devem ter consciência de que haverá um período muito ruim. “Todos esperamos que seja breve, mas depois virá a bonança. As empresas devem acreditar que, juntas, sob orquestração de uma instituição que as represente, podem endereçar seus problemas e conseguir apoio externo para superar a fase mais crítica”.

Nessa problemática epidemiológica que envolve todos, sem exceções – não é exclusiva da empresa A ou B,e envolve, inclusive os concorrentes -, fica em evidência que o mercado de feiras e eventos está passando por grandes desafios.

“O problema pode perdurar meses, mas irá passar. Alguns irão desistir; ficarão impossibilitados de continuar; outros, por sua vez, terão que se fundir e unir forças; e outra parte irá sobreviver, talvez, até enxergando oportunidades nesse momento. A escolha é qual destes deseja ser, e o que se está fazendo para isso. As estratégias precisam ser coerentes. É o momento de decisões rápidas, de tentativas, de correções de curso, e de grandes mudanças. O que não vale é ignorar os fatos, e continuar tentando atuar como era antes, ou apenas reclamando das dificuldades, pois o cenário mudou!”, enfatiza David Reck.

E como conquistar a resiliência na empresa?

O fato de cultivar a resiliência na empresa tem relação em dar às pessoas oportunidades de se frustrar e, por consequência, de superar a frustração, explica a mentora Paula Boarin. “A frustração vem, a necessidade vem. Há um certo desespero no setor porque todos dependem do retorno financeiro de um evento, por exemplo, mas é necessário ter sangue frio e aprender com essa situação inesperada”.

O fato de os eventos serem cancelados ou adiados por conta da pandemia do COVID-19 é necessário buscar alternativas para superar a situação. “Quando se fala em resiliência, não é voltar ao estado natural do tipo ‘você leva porrada e volta ao seu estado natural’, disse Paula. Nessa situação, o indivíduo aprende a parar, se recuperar para tentar novamente.

David Reck (foto: Divulgação)

“O primeiro ponto que entendo ser mais importante é para cultivar resiliência na empresa é a visão positiva e progressista de não dedicar energia a fortalecer a cultura de problemas, mas, sim, de soluções”, explica David Reck, que finaliza: “Outra frente é como os erros e as dificuldades são tratados: se o grupo compra os desafios em vez de apenas buscar encontrar culpados ou destacá-los. E, quando uma solução é proposta, o quanto ela é legitimamente ouvida? Por mais que não seja executada, é importante que o canal de diálogo exista. E, caso executada, o quanto o mérito individual será reconhecido? Não é fácil, pois estamos falando de um conjunto de fatores, mas que estão diretamente ligados ao modelo de gestão da liderança, que dará o norte à cultura que se deseja desenvolver na empresa”.

Dicas para ser mais resiliente no trabalho

Dica #1 – Encare mudanças como oportunidades

Pessoas resilientes enxergam situações difíceis como desafios e testam sua capacidade de “dar a volta por cima”. Além disso, esses profissionais têm a visão de que as adversidades enfrentadas trazem essa possibilidade;

Dica #2 – Acredite na sua competência

Ter percepção da sua própria capacidade e acreditar nas suas habilidades e na sua bagagem de experiências é um grande passo para chegar à resiliência. Além disso, muitas vezes o indivíduo não domina determinado conhecimento, mas se ele tiver autoeficácia com certeza se esforçará além do normal para aprender e essa é uma atitude bem vista numa empresa.

Dica #3 – Desenvolva a autoconfiança

Você precisa acreditar em você e no seu potencial para ter coragem de arriscar e enfrentar desafios, apesar dos obstáculos e estresses no meio do caminho. A autoconfiança fortalece a pessoa e permite dar passos importantes em busca dos objetivos. A tenacidade refere-se à persistência;

Dica #4 – Desenvolva inteligência emocional

É fundamental aprimorar constantemente sua inteligência emocional, de modo que ela lhe permita lidar com estes momentos com calma e sagacidade, pois brigar, gritar ou cair no choro não resolverá as adversidades, não é mesmo? O autoconhecimento entra nessa seara como uma ferramenta eficaz, permitindo entender quais são seus pontos fortes e fraco, podendo assim desenvolver habilidades que desenvolvam os pontos fortes e outras para driblar os pontos fracos.

Dica #5 – Invista em uma mentalidade positiva

Seja positivo! Remoer experiências ruins é um hábito que não pertence às pessoas resilientes. Devemos sempre olhar para a frente e enxergar os problemas como oportunidades de crescimento pessoal e profissional.

Dica #6 – Fique atento ao outro

Pessoas altruístas estão sempre dispostas a ajudar e colaborar com os colegas de trabalho, pois assim, tendem a lidar melhor com seus próprios problemas. Se você consegue ajudar o outro, significa que não está faltando nada para você;

Dica #7 – Seja flexível

Por mais que almejemos, nem tudo está ao nosso alcance ou depende de nós na empresa. Por isso, é essencial ter esta consciência e trabalhar com um cenário realista e ser flexível aos próprios limites e as limitações de seus gestores e/ou colegas. Isso garante mais qualidade de vida no trabalho e menos ansiedade por ações ou situações que ainda não aconteceram.

Dica #8 – Corpo são, mente sã

Cuide do seu corpo e sua mente. Uma boa noite de sono, atividades físicas e alimentação saudável para se manter energizado para o trabalho. Meditação e práticas de relaxamento também são sempre bem-vindas. Assim, combaterá o estresse e fortalecendo o corpo e a mente para lidar com os desafios diários.

Dica #9 – A negação é a sua pior inimiga

Negar a existência dos problemas não vai fazer com que eles desapareçam. Isso é fato! Para encontrar uma saída é preciso entender e aceitar o problema. Apenas após tomar esta consciência, a pessoa é capaz de enxergar o melhor modo de superar o problema. A resiliência não consiste em negar as emoções e sentimentos que são negativos, mas saber se posicionar perante eles, não permitindo que te dominem.

Dica #10 – Pense “fora da caixa”

Os resilientes tendem a ser mais criativos. Então, use e abuse da sua criatividade como ferramenta para achar uma solução para seus problemas, e não apenas ceder a eles ou deixar que te consumam.

Relacionados

Marketing de incentivo: como motivar sua equipe?

Coronavírus: Procon-SP orienta consumidores com viagem marcada para países com casos comprovados

A importância da Comunicação Interna