Página Principal Revista EBS

Empresas apostam nas salas da raiva para eventos

Salas da raiva na mira do mercado corporativo - Foto: Pixabay
Salas da raiva na mira do mercado corporativo - Foto: Pixabay
Empresas oferecem salas e quartos montados para que os visitantes quebrem tudo

Imagine aquele dia difícil em que tudo deu errado. Enquanto uns optam por spam, massagem relaxantes e afins, outros não contêm os nervos e tem vontade de Quebrar Tudo! Mas como você vai fazer isso? Se quebrar suas coisas depois tem que contar os prejuízos, se quebrar dos outros, fica pior ainda!

E foi pensando nesse cotidiano de estresse, raiva e fúria de muitos habitantes das grandes metrópoles, empresas desenvolveram o chamado “anger room” ou “range room”, em português, “quarto da raiva”.

Ainda pareça loucura, porém tem gente ganhando dinheiro com a quebradeira de pratos, garrafas, aparelhos eletrônicos, mobílias e outros, a lista é extensa.

O local é todo montado para ser destruído com a ajuda de tacos de beisebol, marretadas,  e até mesmo pé de cabra.

Essas salas já funcionam em diversos países, inclusive algumas já no Brasil, onde a lista de espera pode ser longa nas noites mais movimentadas.

A visita pode sair entre R$ 39,00 a R$ 500,00, de acordo com a escolha do que será destruído e do tempo de permanência.

Assim como em qualquer jogo, há regras, entretanto são poucos, como comparecer 10 minutos antes do horário, usar sapatos fechados e não bater nas paredes ou jogar objetos no teto.

O que dizem os especialistas

Não evidências científicas que comprovem a eficácia do método, porém alguns especialistas aprovam a chamada “forma de canalizar as tensões”.

Todavia, do ponto de vista da medicina, o fato do indivíduo agendar um horário para “desabafar” pode ser uma boa válvula de escape para o cotidiano.

Uma alternativa para eventos

Além de diversão individual, as salas da raiva podem ser uma nova alternativa de espaço para eventos, uma novidade para o mercado corporativo.

Se assemelhando com alguns escape games, nos quais um grupo é formado e tem um objetivo, as salas da raiva também podem ser uma opção para grupos.

Sim, o setor parece já ter sido fisgado por essa novidade, já que os locais têm sido comumente reservados para eventos corporativos, treinamentos para conectar funcionários, ou ainda, processos seletivos.

Vale a experiência?

Relacionados

Por que a retomada ainda não decolou?

Plataforma pioneira em metaverso será apresentada no Futurecom

Feira EBS 2021 abre credenciamento

Triart entra na M&Co e espera crescimento de 25%

Evento-Teste com protocolo sanitário recebe certificação da ABNT

São Paulo vai exigir passaporte de vacina para entrar em eventos

APAS Show decide cancelar edição de 2021

Mercado MICE aquecendo os motores em rodada de negócios