Página Principal Revista EBS

O que a pandemia ensinou ao setor de eventos B2B

Foto: Pixabay
PO fala sobre o atual momento do setor eventos B2B

Publicado originalmente no Linkedin por Paulo Octavio Pereira de Almeida

O que a pandemia nos ensinou?

Analisando o excelente 30º Barômetro elaborado pela UFI (entidade que representa o setor de eventos B2B com foco na geração de negócios a nível mundial) com informações coletadas em 367 empresas organizadoras de eventos de 56 países diferentes temo uma ótima visão do mercado de eventos com foco na geração de negócios como feiras e congressos…

Vamos aos fatos….

O Brasil se mostrou como um dos países nos quais a confiança e quantidade de realização de eventos quase já atingiu a patamares pré pandemia. Para ser mais preciso 98% dos eventos programados para o 1º semestre de 2023 estão saindo como planejados. Ótima notícia, mesmo sabendo que nós Brasileiros somos otimistas por natureza. Nos USA o índice é de 95% no UK 90%, na Espanha 85% e na China ainda só 29%. A pandemia foi um furação seguido de terremoto 9 escala Richter seguido de um Incêndio no setor de eventos. Terrível.         

Se olharmos as previsões veremos que somente 2024 será um ano com todo potencial que tínhamos em 2019 a nível mundial. Ou seja, 5 anos para serem esquecidos.                                         

Que bom que voltamos com força aqui no Brasil….

Alguns se referem a essa tendência como sendo “Efeito Champagne”…

O que ficou de aprendizado então….????

Por sermos uma indústria local (nos países que realizam os eventos) mas ao mesmo tempo conectada (o número de empresas participando de associações setoriais para troca de informações aumentou muito durante a pandemia) conseguimos criar expertise não só com os aprendizados da pandemia (protocolos) mas principalmente de qualificação de participantes e na valorização das experiências imersivas. Nunca antes as pessoas tiveram tanta vontade de participar de eventos presenciais, como também a qualidade destes participantes refinou muito. Quem participava voltou. Quem não participava ou participava pouco, compareceu!

Alguns eventos ficaram “menores” do ponto de vista de estrutura/tamanho, mas a qualificação dos participantes superou e muito o pré pandemia. Parece que os “caça brindes” das feiras arrumaram outra coisa para fazer. Quem compareceu fez negócios, contatos e se atualizou profissionalmente!

A tal da “lei da relevância” se mostrou muito válida e atual.

Importante mencionar que houve uma ampliação dos elementos digitais que compõem um evento. Uma espécie de “aprendizado forçado” ( as Lives e Streaming sim deixaram algo de bom!! ) e que agora o desafio será ajustar os modelos de negócio e as possibilidades de “monetização”. Quanto da audiência deve ser presencial? E quanto da audiência pode e deve ser virtual são questões que estão nas cabeças dos CEOs das empresas do setor.

Ou seja o impacto da possível digitalização dos processos, a existência de audiências virtuais, uma valorização e refinamento das experiências imersivas e um mercado novamente confiante nas ferramentas de marketing B2B serão as alavancas de desenvolvimento setorial para os próximos anos. Não esquecendo que a agenda ESG é fundamental também e que o setor como um todo deve ser visto como exemplo de sustentabilidade nas suas ações, e principalmente aproveitar a possibilidade de ser fonte de inspiração a todos os envolvidos, e que sim podemos nos reunir para nos emocionar, relacionar, aprender, colaborar e sermos ambientalmente  e socialmente responsáveis! 

O ano de 2023 promete….

——————————————————————————

PO (como é conhecido)
Paulo Octavio Pereira de Almeida

Quem é Paulo Octavio Pereira de Almeida, mais conhecido como PO?

Atualmente exerce o cargo de diretor-executivo na UBRAFE – União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios.

Formado em Administração de Empresas pela PUC-SP com curso de especialização em Comércio Exterior pela FGV-SP, possui mais de 30 anos de experiência professional na área de marketing e vendas.

Foi um dos responsáveis pela introdução do conceito de Trade Marketing na Unilever nos anos 90 e desde 1996 atua na área de entretenimento, primeiro em uma empresa de TV por assinatura via satélite aonde desenvolveu estratégias para os consumidores ficarem em suas residências ( “In Home Entertainment” ) e mais recentemente atuando no Mercado de “Live Marketing” em diversas empresas do setor aplicando os seus conhecimentos para os consumidores saírem das suas residências ( “Out Of Home Entertainment”). 

Consultor na área de ENTRETENIMENTO AO VIVO e BRAND
ACTIVATION, através da empresa LIVE MARKETING CONSULTORIA. 

É colunista do Meio&MensagemPromoview e Portal Radar
Além de co-Autor do Livro ”Marketing do Entretenimento” em parceria com Prof. Marcos Cobra FGV -SP.


Relacionados

ALAGEV participa de painel sobre incentivos regenerativos na EBS 2024

APAS anuncia doação de R$ 1 milhão para as vítimas das chuvas no RS

Estética in Rio: a vanguarda da beleza e estética profissional traz a IA para sua programação

UBRAFE celebra a inclusão das Feiras de Negócios no Calendário de Eventos Estratégicos da cidade de São Paulo