Página Principal Revista EBS

Os impactos da COVID-19 e as perspectivas de 2021 para o setor de feiras e eventos de negócios

Foto: Pixabay
Barômetro Global da UFI oferece atualizações sobre impacto COVID-19

Publicado em 27/07/2021

A UFI, Associação Global da Indústria de Exposições, lançou a última edição de sua principal pesquisa do Barômetro Global, que mede o pulso da indústria em todo o mundo.

Embora os resultados destaquem o forte impacto que a pandemia COVID-19 teve na indústria de exposições globais em 2020, a situação está melhorando gradualmente, e há uma forte crença de que o setor, impulsionado principalmente por exposições físicas e eventos de negócios, se recuperará rapidamente.

Em termos de operações, a proporção de empresas que esperam globalmente “sem atividade” pelo último trimestre de 2021 caiu de 53%, em janeiro, para menos de 10%, enquanto a proporção de empresas com “atividade normal” aumentou de 12%, para perto de 50%.

Esses resultados variam dependendo da região, e são impulsionados principalmente pelas “datas de reabertura” atualmente confirmadas ou esperadas para feiras/exposições.

Embora vários mercados tenham sido reabertos em junho de 2021, a maioria das empresas de todas as regiões espera que as exposições locais e nacionais sejam abertas novamente nos próximos 12 meses, e exposições internacionais sejam reabertas no primeiro semestre de 2022.

Quando perguntados sobre qual elemento mais ajudaria para a “recuperação” das exposições, a maioria das empresas classifica o “levantamento das restrições atuais de viagem” (71% das respostas), a “prontidão de empresas expositoras e visitantes para participar novamente” (58% das respostas) e “levantamento das políticas públicas atuais que se aplicam localmente às exposições” (55% das respostas) como os principais fatores.

Alguns dados gerais da pesquisa:

  • 48% das empresas se beneficiaram de algum nível de apoio financeiro público; para a maioria delas, isso representou menos de 10% de seus custos globais de 2019.
  • 57% das empresas tiveram que reduzir sua força de trabalho; mais da metade delas fez reduções de mais de 25%.
  • 10% das empresas afirmam que terão que fechar permanentemente se não houver negócio pelos próximos seis meses.


Em linha com os resultados do último Barômetro, há seis meses, “o impacto da pandemia COVID-19 no negócio” e o “estado da economia no mercado doméstico” são considerados as duas questões de negócios mais importantes, selecionadas por 29% e 19% dos entrevistados.

“Desenvolvimentos econômicos globais” (15% dos entrevistados) “impacto da digitalização” (10% dos entrevistados) e “desafios de gestão interna” (9% dos entrevistados) também permanecem no topo da lista de questões importantes dos negócios.

A digitalização de produtos e serviços ganhou força ao longo da pandemia, e 58% dos entrevistados disseram ter adicionado serviços/produtos digitais (como aplicativos, publicidade digital e sinalização digital) às suas ofertas de exposição existentes.

Além disso, 40% desenvolveram uma estratégia de transformação digital para exposições individuais ou produtos.

Em termos de futuros formatos de feiras e exposições, os resultados globais indicam que 78% (contra 64% há seis meses e 57% há 12 meses) dos entrevistados estão confiantes de que “o COVID-19 confirma o valor dos eventos presenciais“, antecipando que o setor se recuperará rapidamente.


“Os resultados do Barômetro confirmam o impacto severo da pandemia em nossa indústria. Mas como a maioria dos mercados reabriu, ou sabe quando provavelmente reabrirão, a recuperação está a caminho, e o setor está confiante de que o COVID-19 terá reforçado o valor dos eventos físicos, ao mesmo tempo em que impulsionará o desenvolvimento de novos produtos e serviços digitais”, diz Kai Hattendorf, diretor executivo e CEO da UFI.

Tamanho e escopo da pesquisa do mercado de feiras e exposições

Esta última edição da pesquisa do setor da UFI foi concluída em junho de 2021, e inclui dados de um número recorde de 474 empresas em 64 países e regiões.

O estudo também inclui perspectivas e análises para 23 países e regiões – Austrália, Brasil, Chile, China, Colômbia, França, Alemanha, Hong Kong, Índia, Itália, Japão, Malásia, México, Rússia, Cingapura, África do Sul, Coreia do Sul, Espanha, Tailândia, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e EUA – além de mais cinco zonas regionais agregadas.

Operações em 2021 – reabertura de exposições

Os resultados regionais indicam que as regiões do Oriente Médio & África e da América Central e do Sul provavelmente serão mais afetadas do que outras, com uma média mensal ao longo de 2021 de respectivamente 40% e 34% de “sem atividade” (31% na Europa, 25% na América do Norte e 23% na Ásia & Pacífico) e apenas 22% e 20% de “atividade normal” (27% na Ásia & Pacífico, 30% na Europa e 35% na América do Norte).

A maioria das regiões concorda que “o levantamento das restrições de viagem atuais”, a “prontidão de expor empresas e visitantes para participar novamente” e o “levantamento das políticas públicas atuais que se aplicam localmente às exposições” são considerados os “três primeiros” elementos que mais ajudariam na “recuperação” das exposições, exceto o Oriente Médio & África, onde a “visibilidade a médio prazo em termos de políticas públicas, incluindo restrições de viagem” classifica-se em terceiro lugar. A América do Norte e a América do Norte classificam a “prontidão de expor empresas e visitantes para participar novamente” como o mais importante desses três elementos.

Volume de negócios – lucros operacionais

Os resultados regionais indicam que:

– A queda de receita prevista para 2021 é maior no Oriente Médio & África e Na América Central e do Sul (respectivamente apenas 35% e 37% das receitas de 2019), seguida pela Europa (48%), Ásia & Pacífico (50%) e América do Norte (55%).
– Em termos de lucros, o percentual de empresas que viram uma perda para 2020 é de 41% para a América do Norte, 44% para a Ásia & Pacífico, 51% para o Oriente Médio & África, 55% na Europa e 59% para a América Central & Do Sul.

Apoio financeiro público – força de trabalho e perspectivas

Os resultados regionais indicam que:

  • O número de empresas que recebem apoio financeiro público é maior na Europa (65%) e Ásia & Pacífico (49%) do que na América do Norte (36%), Oriente Médio & África (18%) e América Central & Do Sul (8%).
  • Houve maior redução da força de trabalho entre as empresas da América Central & do Sul (79%), do Oriente Médio & África (73%) e América do Norte (63%), do que na Ásia & Pacífico (52%) e Europa (43%).
  • A proporção de empresas que acreditam que precisarão fechar permanentemente se os negócios não forem retomados nos próximos seis meses varia de 5% na América do Norte e Europa, a 10% na América Central & do Sul, 12% no Oriente Médio & África e 16% na Ásia & Pacífico.

Principais problemas de negócios


Em comparação com os resultados globais, o “impacto da pandemia COVID-19 nos negócios” é mais alto no Oriente Médio & África (34%), “estado da economia no mercado doméstico” é mais alto na América Central & do Sul (26%), e “desenvolvimentos econômicos globais” é mais alto no Oriente Médio & África (20%).

Uma visão adicional por tipo de atividade destaca que, embora o “impacto da pandemia COVID-19 sobre o negócio” continue sendo a principal questão para todos os entrevistados, “desafios de gestão interna” e “concorrência de dentro do setor” são a segunda e terceira questões principais para os prestadores de serviços (respectivamente 18% e 16% dos entrevistados). Enquanto isso, “desafios de gestão interna” ocupa o terceiro lugar para os locais (18%) e organizadores (16%).

Digitalização

58% dos participantes da pesquisa relataram globalmente que adicionaram serviços e produtos digitais (como aplicativos, publicidade digital e sinalização digital) às suas ofertas de exposição existentes, e isso é especialmente o caso na Ásia & Pacífico (67%).

Além disso, enquanto 40% dos entrevistados globalmente indicaram ter desenvolvido uma estratégia de transformação digital para exposições e produtos individuais, esse número foi maior na América do Norte, com 57%.

E enquanto 37% dos entrevistados em todo o mundo afirmaram ter digitalizado processos internos e fluxos de trabalho, esse número foi novamente maior na América do Norte, em 54%.

Futuros formatos de exposição – eventos físicos e digitais

Os resultados não mostram diferenças significativas entre as regiões quanto às possíveis tendências em relação ao formato das exposições nos próximos anos.

Da mesma forma, não há fortes diferenças regionais em relação aos níveis atuais e projetados de atividades relacionadas a eventos híbridos ou digitais em relação a eventos físicos, embora os eventos digitais tenham uma relevância mais forte na América Central & Do Sul, onde 31% dos eventos organizados em 2021 serão digitais, e 53% das empresas acreditam que os eventos digitais representarão mais de 10% de sua renda para os próximos dois anos.

Base da Pesquisa:

A 27ª pesquisa Do Barômetro Global, realizada em junho de 2021, fornece insights de 474 empresas, abrangendo 64 países e regiões.

Foi realizado em colaboração com 20 associações membros da UFI: AAXO (Associação de Organizadores de Exposições Africanas) e EXSA (Associação de Exposições e Eventos da África do Sul) na África do Sul, AEO (Associação de Organizadores de Eventos) no Reino Unido, AFE (Associação Espanhola de Feiras) na Espanha, AFEP (Asociación de Ferias del Perú) no Peru, AFIDA (Asociación Internacional de Ferias de América) representando a América Central e Do Sul, AKEI (Associação da Indústria de Exposições Coreanas) na Coreia do Sul, AMPROFEC (Asociación Mexicana de Profesionales en Ferias, Exposiciones, Congresos y Convenciones) no México, EEAA (Associação de Exposições & Eventos da Australasia) na Austrália, IECA (Indonésia Exhibition Companies Association) na Indonésia, IEIA (Indian Exhibition Industry Association) na Índia, JEXA (Japan Exhibition Association) no Japão , MACEOS (Associação Malaia de Organizadores e Fornecedores de Convenções e Exposições), na Malásia, MFTA (Macau Fair & Trade Association) em Macau, RUEF (União Russa de Exposições e Feiras) na Rússia, SECB (Singapore Exhibition & Convention Bureau) em Cingapura, SISO (Society of Independent Show Organizers) nos EUA, TEA (Thai Exhibition Association) na Tailândia, UBRAFE (União Brasileira dos Promotores Feiras) no Brasil e UNIMEV (French Meeting Industry Council) na França.

De acordo com o objetivo da UFI de fornecer dados vitais e melhores práticas para toda a indústria de exposições, os resultados completos podem ser baixados.

Fonte: UFI



Relacionados

ABCR promove evento gratuito sobre o Dia de Doar 2021

Por que a retomada ainda não decolou?

AMPRO Globes Awards bate recorde de inscrições

Inovações da área de recursos humanos

Mercoagro é adiada para setembro de 2022

Quanto mais tecnologia, mais humanos precisamos ser

Plataforma pioneira em metaverso será apresentada no Futurecom

Feira EBS 2021 abre credenciamento