Página Principal Revista EBS

Burning Man

O Tempo é queimado no domingo à noite
O Templo é queimado no domingo (último dia) à noite
por Vanessa Ikemori

O Burning Man é um festival de contracultura realizado anualmente no Black Rock Desert, estado de Nevada, Estados Unidos.

Imagine um lugar onde você é livre para fazer e ser o que quiser, sem se preocupar com julgamentos. Imagine um lugar onde não existe dinheiro e as pessoas fazem o bem para o próximo, sem esperar nada em troca. Este lugar existe, chama Black Rock City e fica no estado de Nevada, Estados Unidos. É uma cidade de verdade, que tem CEP (inclusive serviço postal) e que tem vida por uma semana por ano. É lá onde acontece o Burning Man.

O festival é guiado por 10 princípios (auto expressão, autoconfiança, de-comoditização, não deixar rastros, participação, inclusão radical, presentear, cooperar, comunidade, imediatismo) que acabam sendo praticados meio que inconscientemente no decorrer do evento. Todos fazem parte, todos contribuem. Eu não sabia como poderia participar. Lá, percebi que participar é estar lá, sendo eu mesma, me divertindo e dando vida ao festival, junto com outras 65 mil pessoas.

Você compra o ingresso e a organização fornece toda a estrutura física da cidade, como levar absolutamente tudo para essa uma semana de vida no deserto: comida (e onde cozinhar), 3 litros de água por dia (para tomar banho, cozinhar e beber), bebidas, barraca ou trailer, saco de dormir, roupa para calor e frio (a amplitude térmica é enorme), etc. Uma vez lá dentro, não paga por nada durante a permanência no festival.

O “Man” é queimado no sábado à noite

O “Man” é queimado no sábado (penúltimo dia do evento) à noite

E isso o torna mágico. Há muitas instalações de artes e carros mutantes (nos quais é possível pegar carona). Há acampamentos (temáticos ou não) oferecendo comidas, bebidas, festas, shows… Há baladas, workshops, palestras de todos os tipos, experiências das mais diversas. Tudo de graça. Tudo feito para o próximo. Tudo acontecendo dia e noite. E tudo no ambiente mais hostil que você pode imaginar, o deserto. E, talvez por isso, por ser um lugar que testa seus limites, você acaba tendo uma experiência surpreendente. Você se conhece mais, conhece pessoas incríveis do mundo todo e tem novas experiências. E isso fica em você.

Ao contrário do que muita gente pensa, o Burning Man não é uma grande rave. Nem sei se pode ser chamado de festival também. É, no fundo, uma grande comunidade na qual se goza de liberdade total e, caso você tenha o privilégio de participar, você nunca mais será o mesmo.

Vanessa Ikemori

Vanessa Ikemori é tradutora/intérprete, apaixonada por viagens, festivais e shows.

Relacionados

Estadão traz a São Paulo conteúdo e experiências no Cannes Lions

Sessentão ainda sexy

GHS apoia lançamento de hotéis de luxo

Game XP 2019 chega novamente a Cidade Maravilhosa

Royal Palm Hotels & Resorts fecha primeiro semestre com alta de 30% no faturamento

A Távola Redonda MICE pensa no futuro MICE

Natura promove experimento para provar o poder das pessoas na construção de um mundo mais bonito

Visit Iguassu desenvolve experiências para incentivar a vinda de novos eventos