Página Principal Revista EBS

Tecnologias aliadas das viagens no pós-pandemia

Foto: Pixabay
Novas tecnologias que devem auxiliar nas viagens pelo mundo no pós-pandemia

Publicado em 14/07/2020

Viagens na pandemia? E as viagens no pós-pandemia? Como será esse novo cenário? E foi a crise global que impulsionou várias empresas israelenses a desenvolverem produtos e tecnologias que permitirão à indústria do turismo voltar a operar com segurança e eficiência.

Israel é frequentemente mencionado como “nação iniciante” ou o segundo Vale do Silício, pois os israelenses são considerados pessoas criativas e engenhosas que tendem a “pensar fora da caixa”. 

Quando a crise global do coronavírus explodiu, os israelenses pensaram em soluções tecnológicas para combater o vírus e restaurar a vida, se possível, de volta ao rumo normal. Algumas dessas soluções permitirão turistas possam cruzar os céus e estradas pelo mundo ou viajar a negócios novamente.

Conheça algumas tecnologias que permitirão uma rotina mais segura e consciente:

  • Diagnóstico em 60 segundos
    A Maf’at (Direção de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa) está trabalhando no desenvolvimento do diagnóstico em 60 segundos se uma pessoa for positiva para o Coronavírus. Essa tecnologia usa frequências tera-hertz, mil trilhões de vezes por segundo. Será possível identificar portadores de vírus no próprio aeroporto antes do embarque. Aqueles que apresentarem resultados positivos não poderão embarcar, o que protege a saúde dos passageiros e da tripulação, assim como a população do país de destino.
  • Nariz artificial que detecta coronavirus
    Você sabia que o Coronavirus tem um cheiro? Uma tecnologia de nariz artificial desenvolvida pela NANOSCENT que atualmente é usada para identificar vacas prenhas agora está sendo testada com o objetivo de detectar o Corona. Com a ajuda de um dispositivo pequeno, seremos capazes de detectar as moléculas liberadas pelos portadores de coronavírus. A instalação deste dispositivo em espaços públicos ajudará na detecção e identificação do vírus quando presente, o que confirmará que um local é livre de coronavírus e seguro para percorrer.
  • Robô inteligente
    Ao chegar ao aeroporto, um robô, não o comissário, recepciona os passageiros. Ou, ao embarcar no próprio avião, um robô comissário acompanha os passageiros aos seus assentos. E se esses robôs ainda puderem manter um alto nível de serviço, mas também manterem a higiene e protegerem a saúde da tripulação e dos passageiros? Esse robô já existe, é desenvolvido pela RAFAEL, já está sendo testado em hospitais. O robô visa substituir parte da equipe médica nos departamentos que tratam o Coronavírus, afim de proteger a saúde e a segurança das equipes médicas. Essa tecnologia também pode ser usada em aeroportos e hotéis durante os processos de check-in e verificação de segurança.
  • Máscara que pode ser usada por longas horas
    Uma das restrições aos passageiros deve ser o uso de uma máscara durante todo o voo para proteger a saúde de todos. E se for um voo longo? O uso de uma máscara apenas será muito mais difícil. Um estudo em conjunto do Hospital Meir em Kfar Saba, da Polícia de Fronteiras de Israel e da Unidade de Contraterrorismo de Israel (Yamam) resultou em uma nova máscara que permitirá uma respiração mais fácil em voos e viagens longas. Atualmente, a máscara está sendo usada experimentalmente em hospitais e ajuda as equipes médicas a respirar sem dificuldade.
  • Imagem térmica e calor corporal
    Uma maneira de detectar portadores de coronavírus em locais públicos é verificar a temperatura corporal das pessoas na entrada de espaços públicos, como lojas, restaurantes e acomodações. A próxima solução tecnológica está em desenvolvimento e permitirá imagens térmicas e exames de calor corporal de grandes grupos de pessoas ao mesmo tempo. Essa tecnologia, desenvolvida pela empresa de vídeo Hikvision, em colaboração com a HVI Security Solutions, do C Data Group e da Equipe 3; pode ser usada em qualquer lugar, desde os saguões dos hotéis até entrada de grandes eventos.
  • Luz ultravioleta pode destruir o coronavírus
    O Centro Médico Mayanei Hayeshua conseguiu destruir a presença de Coronavírus em espaços médicos com a ajuda de uma luz ultravioleta especial, que é inofensiva e segura, mesmo para exposições prolongadas. Talvez teremos essa tecnologia disponível em quartos de hotéis, ou mesmo na entrada de eventos. Essa tecnologia é fruto do estudo da equipe médica liderada pelo Dr. Boris Orkin, uma equipe de físicos, e pelo empresário Eldad Perry.
  • Detecção do vírus usando a câmera do celular
    A empresa Binah.ai está desenvolvendo um monitoramento e detecção de vírus somente pela câmera do dispositivo. Ao baixar um aplicativo, você pode realizar testes remotos e em tempo real que monitoram sua frequência cardíaca, saturação de oxigênio (SpO2), frequência respiratória e estresse mental – tudo no seu smartphone, laptop ou tablet pessoal. Será possível detectar a doença via câmera em menos de dois minutos.
  • Ameaças nos sistemas de saúde
    Em tempos de distanciamento social, a See-True revoluciona o processo de segurança atual com detecção automática de ameaças usando inteligência artificial. O programa de IA da empresa possibilita a detecção automática de ameaças e resolução de alarmes para sistemas críticos de saúde, como raios-X e CT. A empresa foi selecionada recentemente pela Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas para ajudar o setor de turismo global a se recuperar da crise do COVID-19, depois de vencer o Global Healing Solutions Challenge.

Leia também:

Relacionados

Validade dos profissionais no mercado de trabalho

São 840 mil empregos ameaçados no setor de eventos no Paraná

turismo brasileiro

5º Fórum Brasileiro de Turismo debate o crescimento do setor no pós Covid-19

Rio de Janeiro adia a reabertura de teatros, cinemas e casas de eventos

Os desafios de impactar o público de forma remota

Pesquisa: 19% planejam viajar ainda este ano e 49% só em 2021

20 tendências para inovação nos negócios pós-coronavírus

prejuízo-eventos-pandemia

Eventos: R$ 90 bilhões em prejuízo pela pandemia