Página Principal Revista EBS

Ensinamentos das feiras realizadas na Ásia do pós-Covid-19

Um expositor mostra os produtos dos participantes no MBC Architecture Show - Foto: Divulgação
As primeiras grandes feiras de negócios estão ocorrendo na China, Coréia do Sul e outros países da Ásia-Pacífico

Publicado em 27/05/2020

As primeiras grandes feiras estão sendo realizadas na Ásia-Pacífico, podemos tomar alguns ensinamentos dessas experiências.

Elas oferecem uma visão dos tipos de protocolos para rastreamento de saúde, distanciamento social e saneamento que atendem requisitos do governo e tentam deixar os participantes à vontade. Máscaras, luvas, desinfetantes para as mãos, barreiras de acrílico, distanciamento obrigatório, desinfecção frequente dos locais e outras precauções foram características importantes de duas grandes feiras: a Hunan Auto Show 2020, realizado em Changsha (China), e a MBC Architecture Expo, realizada em Goyang, (Coréia do Sul).

Foto: Divulgação

A Hunan Auto Show 2020, realizado de 20 de abril a 5 de maio, levou 62.380 visitantes ao Centro Internacional de Convenções e Exposições de Hunan, na China. Conforme relatado pelo The Tradeshow Executive, eis as medidas que foram tomadas:

  • Os participantes tiveram que enviar um cartão de identificação e passar por uma rigorosa verificação de saúde e identidade antes de chegar ao local. Depois de aprovados, eles receberam um link digital que eles poderiam usar para se registrar no evento via WeChat.
  • Todos os trabalhadores com equipamento de proteção completo verificavam a identificação e a temperatura de cada visitante cada vez que entravam no centro de exposições. 
  • Os participantes tiveram as mãos desinfetadas por uma máquina automática, receberam luvas de plástico e foram instruídos a ficar a 1,5 metro de distância um do outro.
  • Todos os participantes da exposição foram obrigados a usar máscaras durante todo o período da participação no evento e foram convidados a lavar as mãos com frequência.
  • O acesso foi limitado a 8.000 participantes diariamente e, uma vez que entravam 4.000 por dia, a plataforma era pausada para avaliar a densidade dos participantes, antes de ser reiniciada.
  • O centro de convenções era desinfetado duas vezes por dia e o ar externo fresco era bombeado para o centro de convenções através do sistema de ar fresco.
  • Dois centros médicos temporários foram construídos e montados no local – um fora do prédio e outro no salão da feira.

O MBC Architecture Show foi realizado entre os dias 10 e 13 de maio no Centro de Exposições Coreano (KINTEX), na Coréia do Sul, com 45.400 participantes. 

Frank Yang, diretor de marketing e desenvolvimento de negócios na KINTEX, detalhou os seguintes protocolos em um artigo no LinkedIn:

  • Câmeras de imagem térmica e termômetros de reconhecimento facial foram instalados nas entradas, junto com dispensadores de desinfetante para as mãos e tapetes de desinfecção.
  • Na entrada do salão, as temperaturas dos participantes eram monitoradas por um termômetro sem contato.
  • Quando uma investigação mais aprofundada sobre o estado de saúde dos participantes era necessária, os indivíduos eram imediatamente transferidos para uma área de contenção.
  • Luvas e desinfetante para as mãos foram necessários para a admissão.
  • A sala de emergência e as equipes médicas estavam de prontidão.
  • No saguão, as pessoas esperavam na fila para entrar a intervalos de um metro e meio, marcados no chão.
  • Desinfecção foi realizado uma e duas vezes por dia, também na entrada de ar e ar-condicionado externos em 100%.
  • Todos os visitantes foram obrigados a usar máscaras e luvas de plástico e os expositores a usar protetores faciais que cobriam todo o rosto.
  • Aqueles que não seguiram as regras acima foram retirados do evento.
  • Barreiras de acrílico foram colocadas nas mesas da área de reuniões de negócios e na lanchonete.
  • Os estandes ficavam a pelo menos quatro metros de distância um do outro.
  • Instalação de videoconferência foi disponibilizada para os expositores.
  • Ambulâncias estavam de prontidão para transferir “pacientes sob investigação” em cooperação com as autoridades locais e hospitais próximos.

Confira o depoimento em que Yang conta a sua experiência:

“A exposição gerou uma longa fila de admissão e congestionamento no saguão, porque demorou tanto tempo para calçar luvas plásticas, aplicar desinfetante para as mãos e medir a temperatura dos participantes, enquanto observava distâncias de um metro e meio entre os visitantes. Para resolver esse problema, os organizadores acrescentaram mais pessoal e abriram uma sala de exposições vazia para que pudessem colocar a fila de entrada dentro da sala. Cada visitante teve que se registrar no local, mesmo que estivesse pré-registrado. Os organizadores adicionaram mais quatro cabines de registro e registraram a data e a hora da admissão dos visitantes para fins de rastreamento.”

Fonte: PCMA

Relacionados

Anunciadas as datas para retomada de eventos em SP

Setor de eventos deve ter novidades em 07 de julho

in-cosmetics Latin America é postergada para 2021

Feicon Batimat é adiada para abril de 2021

Plano do Paraná para movimentar economia a partir do turismo

Capital Paulista avança de fase, mas feiras e eventos não têm previsão de retorno

Revista EBS apoia a Expo Retomada

Instituto Bandeirantes apoia o Movimento Supera Turismo Brasil