Página Principal Revista EBS

Ensinamentos das feiras realizadas na Ásia do pós-Covid-19

Um expositor mostra os produtos dos participantes no MBC Architecture Show - Foto: Divulgação
As primeiras grandes feiras de negócios estão ocorrendo na China, Coréia do Sul e outros países da Ásia-Pacífico

Publicado em 27/05/2020

As primeiras grandes feiras estão sendo realizadas na Ásia-Pacífico, podemos tomar alguns ensinamentos dessas experiências.

Elas oferecem uma visão dos tipos de protocolos para rastreamento de saúde, distanciamento social e saneamento que atendem requisitos do governo e tentam deixar os participantes à vontade. Máscaras, luvas, desinfetantes para as mãos, barreiras de acrílico, distanciamento obrigatório, desinfecção frequente dos locais e outras precauções foram características importantes de duas grandes feiras: a Hunan Auto Show 2020, realizado em Changsha (China), e a MBC Architecture Expo, realizada em Goyang, (Coréia do Sul).

Foto: Divulgação

A Hunan Auto Show 2020, realizado de 20 de abril a 5 de maio, levou 62.380 visitantes ao Centro Internacional de Convenções e Exposições de Hunan, na China. Conforme relatado pelo The Tradeshow Executive, eis as medidas que foram tomadas:

  • Os participantes tiveram que enviar um cartão de identificação e passar por uma rigorosa verificação de saúde e identidade antes de chegar ao local. Depois de aprovados, eles receberam um link digital que eles poderiam usar para se registrar no evento via WeChat.
  • Todos os trabalhadores com equipamento de proteção completo verificavam a identificação e a temperatura de cada visitante cada vez que entravam no centro de exposições. 
  • Os participantes tiveram as mãos desinfetadas por uma máquina automática, receberam luvas de plástico e foram instruídos a ficar a 1,5 metro de distância um do outro.
  • Todos os participantes da exposição foram obrigados a usar máscaras durante todo o período da participação no evento e foram convidados a lavar as mãos com frequência.
  • O acesso foi limitado a 8.000 participantes diariamente e, uma vez que entravam 4.000 por dia, a plataforma era pausada para avaliar a densidade dos participantes, antes de ser reiniciada.
  • O centro de convenções era desinfetado duas vezes por dia e o ar externo fresco era bombeado para o centro de convenções através do sistema de ar fresco.
  • Dois centros médicos temporários foram construídos e montados no local – um fora do prédio e outro no salão da feira.

O MBC Architecture Show foi realizado entre os dias 10 e 13 de maio no Centro de Exposições Coreano (KINTEX), na Coréia do Sul, com 45.400 participantes. 

Frank Yang, diretor de marketing e desenvolvimento de negócios na KINTEX, detalhou os seguintes protocolos em um artigo no LinkedIn:

  • Câmeras de imagem térmica e termômetros de reconhecimento facial foram instalados nas entradas, junto com dispensadores de desinfetante para as mãos e tapetes de desinfecção.
  • Na entrada do salão, as temperaturas dos participantes eram monitoradas por um termômetro sem contato.
  • Quando uma investigação mais aprofundada sobre o estado de saúde dos participantes era necessária, os indivíduos eram imediatamente transferidos para uma área de contenção.
  • Luvas e desinfetante para as mãos foram necessários para a admissão.
  • A sala de emergência e as equipes médicas estavam de prontidão.
  • No saguão, as pessoas esperavam na fila para entrar a intervalos de um metro e meio, marcados no chão.
  • Desinfecção foi realizado uma e duas vezes por dia, também na entrada de ar e ar-condicionado externos em 100%.
  • Todos os visitantes foram obrigados a usar máscaras e luvas de plástico e os expositores a usar protetores faciais que cobriam todo o rosto.
  • Aqueles que não seguiram as regras acima foram retirados do evento.
  • Barreiras de acrílico foram colocadas nas mesas da área de reuniões de negócios e na lanchonete.
  • Os estandes ficavam a pelo menos quatro metros de distância um do outro.
  • Instalação de videoconferência foi disponibilizada para os expositores.
  • Ambulâncias estavam de prontidão para transferir “pacientes sob investigação” em cooperação com as autoridades locais e hospitais próximos.

Confira o depoimento em que Yang conta a sua experiência:

“A exposição gerou uma longa fila de admissão e congestionamento no saguão, porque demorou tanto tempo para calçar luvas plásticas, aplicar desinfetante para as mãos e medir a temperatura dos participantes, enquanto observava distâncias de um metro e meio entre os visitantes. Para resolver esse problema, os organizadores acrescentaram mais pessoal e abriram uma sala de exposições vazia para que pudessem colocar a fila de entrada dentro da sala. Cada visitante teve que se registrar no local, mesmo que estivesse pré-registrado. Os organizadores adicionaram mais quatro cabines de registro e registraram a data e a hora da admissão dos visitantes para fins de rastreamento.”

Fonte: PCMA

Relacionados

Marketing no metaverso: 4 benefícios desta relação para o mercado

Teia Pride Festival transforma região industrial da Mooca no meeting point da semana do orgulho LGBTQIAP+

Agências de Live Marketing são escolhidas por menor preço, constata pesquisa da AMPRO

Feira EBS começa amanhã e confirma Celso Athayde, do case Expo Favela

INOVAPLASTIC será realizada em 2023

Maior feira de soluções para saúde do mundo realiza primeira edição presencial no Brasil

Eventos cadastrados no Calendário do MTur mais que triplica em dois meses

A agenda de eventos movimentada em 2022 no Mineirão