Página Principal Revista EBS

Do mundo VUCA para o mundo BANI…

mundo-bani
Foto: Divulgação
Que mudança é essa?

Publicado em 03/11/2020

Você já parou para se perguntar como a vida do século XXI será contada nas salas de aula do futuro, bem como, de que maneira o que estamos vivendo refletirá na história? A princípio não sabemos nem mesmo se neste tal futuro vamos ter salas de aula, mas uma coisa é fato: o ano de 2020 ficará marcado como um grande divisor de águas para a humanidade.

Passamos recentemente, por um período de muitas mudanças, e com essas mudanças, a necessidade de adaptação rápida. As conexões feitas com auxílio da internet foram os caminhos encontrados para todos os âmbitos das nossas vidas.

Desde 1980 vimos discutindo os aspectos do Mundo VUCA: – acrônimo das palavras em inglês Volatility, Uncertainty, Complexity e Ambiguity (em português: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade, respectivamente). Nesta época já acompanhamos com olhos atentos, as profundas mudanças em emergência, e que se acentuaram ainda mais com a chegada do chamado “mundo digital”.

Neste ano de 2020 vivenciamos profundamente a experiência das necessidades contemporâneas, de não perdermos o ritmo do trabalho, do estudo e da expansão do conhecimento proporcionada pelas redes. O que pudemos presenciar é que as proporções do mundo VUCA se tornaram incontroláveis. De acordo com meus estudos, passo a concordar com o futurista Jamais Cascio. Segundo ele, estamos saindo de um MUNDO VUCA para um mundo BANI, ou em português FANI – Frágil, Ansioso, Não-linear e Incompreensível.

Isso se deu em virtude de que, neste novo cenário, assumimos o quanto os impactos da velocidade e da volatilidade das coisas não estão em nossas mãos. Um novo mundo surge a nossa volta, o que nos obriga a encarar que ainda existem muitas coisas incompreensíveis. Nossa única opção é a adaptação às novas demandas que surgem a cada dia, e a resiliência de buscar incorporar a criatividade para as mais diversas soluções para os desafios que surgem.

Nesse sentido, é preciso ressignificar nosso entendimento sobre o mundo em que vivemos.

bani - mundo - vuca
Foto: Divulgação

Entendendo o Mundo Bani

Frágil – Aquilo que muda rapidamente é frágil, não tem raízes sólidas e pode se desfazer a qualquer momento, gerando um forte impacto em um mundo interconectado.

Ansioso – O imprevisível gera ansiedade pelo desconhecido, prejudicando o foco, mas estimulando a necessidade da prática do poder de ação

Não linear – Um novo sistema de causa e consequência se estabelece em que uma decisão tomada hoje pode ter resultados desproporcionais e imprevisíveis diante da aceleração dos acontecimentos

Incompreensível – O acesso e o controle de dados podem parecer uma fonte de soluções, mas a capacidade humana de processar as informações não mudou e o excesso delas pode gerar justamente o efeito contrário. Em muitos momentos, faltam-nos respostas.

O que podemos perceber desta mudança de VUCA para BANI é que as dimensões exacerbadas da volatilidade configuram a fragilidade daquilo que muda constantemente. Com isso, as incertezas crescentes culminam em uma grande ansiedade, bem como a complexidade evolui para a não-linearidade e o ambíguo se torna incompreensível

E você concorda com o mundo BANI? Comente e espalhe essa mudança.

Acesse vídeos, podcasts e outros artigos

Autor(a)

Marcelo Pimenta

Marcelo Pimenta

Unindo as competências de comunicador, professor e empresário, é um dos pioneiros da Internet no Brasil, com 20 anos de experiência como empreendedor digital.Professor da ESPM/SP, responsável pelas disciplinas de Gestão da Inovação e Design Thinking, onde é reconhecido pela criatividade em sala de aula, sempre criando novas formas de aprender e ensinar.

Relacionados

Empresas e atendimento humanizado: demandas do mundo BANI

“O pós-crise dos eventos” é tema na Expo Retomada

Empreendedor protagonista: O futuro é agora e as escolhas são suas

Pedras que rolam não criam musgo

20 tendências para inovação nos negócios pós-coronavírus

Como liderar em um cenário de volatilidade?

Ideias para inovar na pandemia: o futuro já começou

O perfil do profissional no pós-coronavírus