Página Principal Revista EBS

E, no meio no caminho tem trabalho e ajuda…

Foto: Jackie Ramirez_/ Pixabay
Em tempos de pandemia, a ajuda é muito bem-vinda, tanto quanto o trabalho que mantem algumas empresas ativas.

Publicado em 27/04/2020

Em meio à pandemia do novo coronavírus (COVID-19), as empresas de todos o mundo, entre elas a do segmento MICE (eventos corporativos, incentivos, feiras, congressos) estão sofrendo com os efeitos econômicos, pois suas atividades estão praticamente paradas no mundo inteiro, segundo relatório do MPI (Meeting Professionals International).

Entretanto, os sentimentos e atos de solidariedade, amparo, caridade e amor ao próximo estão se multiplicado, entre as pessoas comuns, e ressoando dentro das empresas.

Seja para atenuar os problemas do isolamento social ou colaborar com os profissionais que estão na linha de frente do combate ao Covid-19, os gestos solidários estão fazendo a diferença na vida de muitos.

Além disso, algumas empresas também mudaram seu foco para atender a serviços emergenciais, fazendo com que parte de seus serviços sejam mantidos, e ainda criando novos postos de trabalho para a efetivação de necessidades.

Como boas obras nos ajudam a enfrentar a tempestade, grandes ideias nos capacitam a prosperar e avançar em direção a dias melhores.

Comprometida em garantir que todo esse momento turbulento passe logo e que toda doação, ato de serviço e esforços para aliviar o fardo dessa situação imprevista e sem precedentes, a Revista EBS traz aqui exemplos de ações que estão sendo realizadas atualmente pelo setor de eventos no Brasil.

Promotoras únicas por uma causa

Por conta da pandemia, muitas feiras e eventos foram adiados e, ou ainda, cancelados. Sabendo que dezenas de famílias dependiam deste trabalho para o sustento de seus lares, os colaboradores das promotoras de eventos Informa Markets Brazil,NürnbergMesse Brasil e Reed Exhibitions Brasil se uniram para beneficiar mais de 1.000 famílias com doação de cestas básicas.

Com o mote “Juntos Por Quem Faz Acontecer”, a campanha levará doações para as famílias das equipes de segurança, limpeza, recepcionista e mão de obra em geral, que trabalham nos pavilhões. O angariamento das primeiras doações ocorreram por meio do site Vaquinha, mas deverá se estender para os próximos meses, pelo mesmo link.

Os beneficiados foram previamente selecionados junto com as empresas que prestam serviço frequentemente para as três promotoras.

Valores revertidos

Com o histórico solidário, a empresa sempre se engaja em ações ao próximo. Entre essas ações, a empresa doou 1% de todos os produtos vendidos entre 20/03 e 20/04 para a ONG AHPAS.

Mais do que nunca a entidade está precisando de ajuda, pois tiveram que cancelar o bazar beneficente de arrecadação e não podem realizar eventos por conta do isolamento social.
A ONG ajuda crianças e adolescentes a terem acesso ao tratamento oncológico por meio do transporte gratuito e especializado.

Ainda, devido a alta demanda de hospitais e profissionais da saúde por máscaras cirúrgicas e descartáveis, a Fantastic Brindes envidou esforços em atender as necessidades do mercado e sociedade, indo além da fabricação própria de diversos produtos promocionais personalizados. Dessa forma, a empresa disponibiliza comercialmente produtos em escassez, como máscaras de pano reutilizáveis, frascos para álcool em gel, galão de álcool em gel, entre outros itens. Confira.

Garantindo a alimentação

A Consuma Gastronomia, com mais de 27 anos no mercado de refeições coletivas, adotou a solidariedade como uma das armas para enfrentar a crise, mantendo seus colaboradores ativos, mesmo tendo os eventos 100% parados.

Em duas ações a empresa está levando refeições para quem não pode parar durante a pandemia. A primeira ação, está sendo realizada junto ao Grupo CCR, produzindo 100 refeições por dia, sete dias por semana, sendo entregues em praça de pedágio, onde são distribuídas gratuitamente para os caminhoneiros.

“Fizemos uma parceria em um valor especial, para que pudéssemos juntos manter atividade deles ‘respirando’, pois não tinha onde eles se alimentarem Houve ainda aquela situação de eles quererem parar por conta disso”, disse o chef Alê Martinez, que possue vasta experiência em feiras nacionais e internacionais.

Segundo o chef, a ação, que já está entrando em sua quarta semana, não tem prazo para acabar e será mantida enquanto houver necessidade de manutenção.

A segunda ação é realizada no hospital de campanha no Pacaembu, em São Paulo (SP). No local são produzidas refeições para os profissionais de saúde de todos os turnos, 24 horas por dia, sete dias por semana, café da manhã, almoço, jantar e ceia da madrugada.

“Fizemos um cardápio e também estamos atendendo. A previsão de ação é de três meses, podendo avançar para um quarto mês ou quanto mais precisar”, finaliza o chef Alê Martinez, sócio proprietário da Consuma Eventos e consultor de Gastronomia da Consuma.

Atendendo as demandas durante a pandemia

A GL Events Brasil, visando apoiar demandas governamentais ou corporativas, abriu seu leque de serviços para atender serviços essenciais e emergenciais, como estruturas de hospitais de campanha.

Por meio da GL Events Live – especializada na concepção, produção e fornecimento de serviços e instalação de infraestruturas temporárias -, possui todos os produtos necessários, como:  tendas, octanormes, rooftops, chillers, geradores, mobiliário e acessórios, entre outros.

A empresa enfatiza que há estoques disponíveis para atuar de forma emergencial, além de garantir serviços e produtos que serão disponibilizados em prol da segurança de todos.

MChecon Group

“Não era, em hipótese alguma, um case que gostaríamos de ter em nosso portfólio. Preferimos concorrências saudáveis e grandes eventos”, enfatiza a empresa em seus meios oficiais.

A MChecon Group aceitou o desafio, e em 13 dias, levantou 8 mil m² e mais de 260 leitos para o Hospital de Campanha do Ibirapuera, em São Paulo.

“Sabemos que vidas serão salvas, empregos foram gerados e profissionais do setor de eventos puderam garantir o sustento de suas famílias. Definitivamente optamos por lutar e não nos entregar”, disse a empresa em nota.

Foto: Alexas Fotos – Pixabay

A doação que vem de outros setores

Lista Fortes Brasil

A Lista Fortes foi criada pelo ator Caco Ciocler, visando estimular doações em dinheiro com foco no auxílio para conter a pandemia do novo coronavírus (COVID- 19), seja ele médico, financeiro ou social. Isso inclui construção de hospitais temporários, compra de equipamentos médicos, produção de álcool em gel, distribuição de alimentos e renda, implementação de logística, entre outras ações.

Ainda, após a piora dos casos e, consequente, impacto para pessoas e instituições, foram inclusas na nova lista as empresas que doarem pelo menos 1% do seu lucro líquido para causa de sua escolha.

Em compensação, como reconhecimento e agradecimento, atores renomados, assim como esportistas, intelectuais, formadores de opinião e influenciadores irão divulgar cada nova atualização da lista nas suas redes sociais, apresentando à sociedade seus fortes empresários.
Para mais informações ou entrar na lista acesse o site da campanha.

Mais iniciativas solidárias de empresas e empresários para auxiliar na crise:

– A Decathlon, como meio de ajudar no tratamento de pessoas em estado grave, doou todo o seu estoque do Brasil da máscara Easybreath (desenvolvida para a práticade de snorkeling) a entidades médicas parceiras que se disponibilizaram a trabalhar na adaptação do produto e transformá-lo em um recurso hospitalar. A venda da máscara Easybreath está temporariamente suspensa para atender às necessidades hospitalares;

Facebook cedeu gratuitamente seu espaço de publicidade (Facebook Ads) para a OMS (Organização Mundial de Saúde), visando combater Fake News sobre o assunto;

– Com o objetivo de incentivar o trabalho home office, a Google disponibilizou acesso gratuito o Hangout Meets, aplicativo de videoconferência;

– A Ambev usa uma de suas cervejarias no Rio de Janeiro para produzir álcool em gel a serem distribuídos para hospitais públicos do País. Outra inciativa do grupo se dá na fabricação e doação, ao Ministério da Saúde, de três milhões de máscaras do tipo face shield;

– O iFood, em parceria com a ONG Ação da Cidadania, criou um fundo de R$ 2 milhões para dar suporte a pequenos restaurantes e entregadores;

– Fábricas da WEG e Embraer desenvolvem a fabricação de respiradores;

– O SENAI tem várias unidades trabalhando em diferentes frentes. O Ceará atua diretamente na produção de máscaras de acetato. A Bahia vai incorporar o Laboratório de Diagnósticos Moleculares para atendimento exclusivo das demandas do Covid-19, visando a identificação do maior número de casos suspeitos. Testes para diagnosticar o novo coronavírus em 10 minutos é agora o serviço foco da Hilab, laboratório da Hi Technologies, startup paranaense que receberá o apoio financeiro e de estrutura do Instituto SENAI de Inovação em Eletroquímica. No Rio Grande do Sul, o Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros atua no desenvolvendo novas formulações para a produção de álcool em gel. No Rio de Janeiro, disponibilizaram a estrutura de fabricação digital para auxiliar na produção das máscaras de acrílico. A unidade do Amazonas criou um protótipo de respirador que pode ser alternativa para os modelos usados em hospitais. Além disso, o SENAI criou uma rede voluntária de manutenção de respiradores que estão parados em hospitais, tendo mais de 20 pontos de recebimento;

– A multinacional 3M doou máscaras do tipo PFF2, equivalentes à N95, a cerca de 20 hospitais de todo o Brasil.

– A rede Cacau Show doou R$ 1 milhão para o governo do Estado de São Paulo que servirá para comprar, principalmente, respiradores para os hospitais mais necessitados.

– A Whirlpool, detentora da Brastemp e Consul, produzirá máscaras de acrílico para os profissionais da saúde, em suas fábricas em Santa Catarina e São Paulo. A empresa também doou R$ 1,3 milhão para compra de EPIs e produtos para armazenagem de medicamentos e vacinas.

E tantos outros são os exemplos de engajamento e solidariedade nesse momento.

Relacionados

Validade dos profissionais no mercado de trabalho

São 840 mil empregos ameaçados no setor de eventos no Paraná

transporte executivo

Five Transportes lança e-book com dicas sobre o transporte executivo

turismo brasileiro

5º Fórum Brasileiro de Turismo debate o crescimento do setor no pós Covid-19

Rio de Janeiro adia a reabertura de teatros, cinemas e casas de eventos

prejuízo-eventos-pandemia

Eventos: R$ 90 bilhões em prejuízo pela pandemia

Transformação digital e o “novo normal” para o setor de eventos

CES 2019

CES, maior conferência de tecnologia do mundo, será virtual em 2021