Página Principal Revista EBS

Lições da retomada da Disney para os organizadores de eventos

Foto: Mac Gyvernrw-Pixabay
Os protocolos a serem seguidos pelos visitantes da Walt Disney World, na Flórida, podem servir de ensinamentos para o setor de eventos

Publicado em 10/07/2020

Os parques temáticos Magic Kingdom e Animal Kingdom serão reabertos neste sábado, 11 de julho, seguidos pelo Hollywood Studios e Epcot em 15 de julho. Mesmo com os números da pandemia aumentando na Flórida, o complexo de parques apresenta oito mudanças notáveis ​​na experiência do visitante – mudanças que podem servir de lição para aqueles que trabalham no setor de eventos para a retomada.

  • Uso de máscaras necessário: na Walt Disney World, todas as pessoas com idade igual ou superior a 2 anos, assim como os membros do elenco, deverão utilizar máscaras. Assim como nos eventos, os organizadores, expositores e participantes devem adotar o uso de máscaras, mais ainda em ambientes fechados, mesmo com os participantes socialmente distanciados. Há evidências crescentes que  sugerem que o vírus permanece no ar interno.
  • Esquadrão de Distanciamento Social: alguns membros do elenco da Disney fazem parte de um “Esquadrão de Distanciamento Social”, esses alertam os sobre a importância da prática o distanciamento social. Uma lição para os organizadores de eventos: sinalização orientando sobre o distanciamento nas recepções e durante os momentos de intervalos podem não ser suficientes. Que tal designar membros da equipe para formarem o “Esquadrão do distanciamento social”? Considere cuidadosamente o uso da linguagem direta, mas amigável, para lembrar os participantes sobre os protocolos de segurança.
  • Checagem de temperatura: visitantes e funcionários da Disney terão checagem de temperatura obrigatória antes de entrar em qualquer parque. No entanto, a Disney não planeja testar os membros do elenco em busca de coronavírus, o que levou a Actors Equity Association, instituição que representa muitos dos artistas da Disney, a se opor à abertura dos parques. Organizadores de eventos precisam entender que a triagem de temperatura sozinha não é uma maneira eficaz de proteger os participantes ou a organização do evento, pois indivíduos assintomáticos ainda podem espalhar o vírus, é necessário manter todos protocolos de segurança.
  • Visitas somente com reservas: para controlar a capacidade, os visitantes do Walt Disney World precisarão reservar com antecedência a sua visita. Esse ponto também deve valer para os eventos. Uma pesquisa realizada pela Lippman Connects, 73% dos organizadores de eventos consideram vender ou atribuir horários de entrada escalonados para as exposições que organizam.
  • Capacidade reduzida: além de reduzir o número de pessoas permitidas em seus parques, a WDW também gerenciará a capacidade nas lojas e restaurantes. Para os gestores de eventos, reduzir o número de participantes nos espaços para garantir o distanciamento recomendado será um desafio.
  • Interações sem contato:  dinheiro será aceito, mas a “pulseira mágica” da Disney, um dispositivo funciona como um ingresso, método de pagamento e chave do quarto, estará disponível para os visitantes. Da mesma forma, quando os grupos começarem a se reunir novamente, organizadores e participantes poderão estabelecer algumas ações em parceria com os hotéis para possibilitar o acesso as dependências sem toque e permitir a entrada sem chave nos quartos ou até mesmo check-ins de convenções utilizando reconhecimento facial.
  • Chega de cumprimentos:  chega de conhecer o Buzz Lightyear em Tomorrowland. Os personagens da Disney nas sessões de “meet-and-greets”, que costumam criar um rebuliço nos parques, estão cancelados por enquanto. Os players de eventos também deverão evitar a promoção de aglomerações, por exemplo, não realizando as sessões de autógrafos dos livros após as palestras e estendendo os momentos de perguntas e respostas, para que menos participantes se reúnam na frente da sala após as sessões. (Até o momento de perguntas e respostas possa levantar uma questionamentos já que alguns participantes podem não se sentirem confortáveis ​​com um microfone passado de mão em mão. Nesse caso, vale lançar mão da tecnologia dos aplicativos do evento, que possibilitam fazer perguntas aos palestrantes).
  • Sem desfiles ou shows de fogos de artifício:  para reduzir a multidão, a Disney não realizará os tradicionais desfiles ou shows de fogos de artifício noturnos. Os organizadores também precisarão repensar eventos especiais. Embora espaços ao ar livre possam ser a resposta para algumas recepções, confraternizações no final de um evento provavelmente está fora da agenda.

Leia também:

Relacionados

Validade dos profissionais no mercado de trabalho

São 840 mil empregos ameaçados no setor de eventos no Paraná

turismo brasileiro

5º Fórum Brasileiro de Turismo debate o crescimento do setor no pós Covid-19

Rio de Janeiro adia a reabertura de teatros, cinemas e casas de eventos

Expo Retomada fala sobre o futuro dos eventos presenciais

Rio de Janeiro autoriza retorno de eventos de negócios

Preparativos da MPI para o WEC 2020

prejuízo-eventos-pandemia

Eventos: R$ 90 bilhões em prejuízo pela pandemia