Página Principal Revista EBS

A reinvenção do mercado de eventos em 2020, com Guilherme Miotto

Interação com a plateia virtual durante transmissão do evento online
Guilherme Miotto, diretor-executivo do Grupo Hoffmann, faz uma análise sobre as transformações no mercado de eventos.

Publicado em 09/10/2020

Há um bom tempo a Hoffmann vem acompanhando a digitalização do mercado como um todo e, principalmente, a digitalização do mercado de eventos. Dessa forma, já estavam trabalhando em diversas soluções como plataforma online e estúdios para eventos.

Desde o início do mês de março, a empresa acompanha o andamento da pandemia ao redor do mundo, intensificando pesquisas e desenvolvimento dessas soluções. Passada a primeira quinzena do mês, quando viram a reinvenção do mercado de eventos: todos os eventos físicos serem adiados ou cancelados, a empresa lançou no mercado uma nova solução para eventos híbridos, através de um evento realizado no dia 31 de março deste ano, no estúdio da Barra da Tijuca (RJ), o primeiro dos 20 estúdios que a empresa promete entregar até o final de 2020. A Hoffmann começava assim, a escrever um novo capítulo de sua história, sempre acreditando na evolução do mercado de eventos.

Em entrevista à Revista EBS, Guilherme Miotto, diretor-executivo do Grupo Hoffmann, faz uma análise sobre a reinvenção no mercado de eventos e compartilha as estratégias da empresa para a manutenção dos eventos em formato híbrido e online, seja para eventos corporativos, entretenimento e até mesmo cursos.

Guilherme Miotto durante sua participação na Feira EBS Virtual 2020.

Revista EBSQuais mudanças ou adaptações o Grupo Hoffmann teve de fazer durante a pandemia para a entrega dos eventos?

Guilherme Miotto – Nossa empresa já estava passando por algumas mudanças antes da pandemia e esse processo foi acelerado. Nós concentramos nossos depósitos e estrutura física no Rio de Janeiro e São Paulo, buscando otimizar o processo logístico entre os sete estados em que temos filiais. Aproveitamos também para aproximar e integrar todas as empresas do Grupo Hoffmann, o que facilita muito nossas operações e nossos processos comerciais. Mas, a grande mudança ficou por conta da forma de entrega de nossos projetos, pois saímos de uma entrega de enorme capilaridade dos 600 eventos presenciais por mês, para a montagem de sofisticados estúdios fixos. Ou seja, deixamos de percorrer o Brasil com nossos equipamentos e passamos a receber o cliente em nossos estúdios.

EBS – Como tem sido o feedback dos clientes em relação a esse novo modelo de eventos híbridos?

Miotto – Foi um processo importante de demonstração das funcionalidades e facilidades desse modelo, bem como das estruturas físicas robustas que preparamos. Muitos clientes acreditavam que em três ou seis meses já conseguiriam fazer seus eventos normalmente, o que demandou um grande esforço comercial para mostrarmos todas as possibilidades de interação, exploração de conteúdo, ativações de marca e networking através da nossa plataforma híbrida de eventos. Aos poucos temos conquistado cada vez mais clientes, com quem temos feito grandes entregas, chegando a uma marca de mais de 150 eventos nesses meses de pandemia.

EBS – Em sua opinião, as partes envolvidas (o mercado, os clientes e o público) estão preparadas para essa reinvenção, esse novo formato de evento? 

Miotto – A mudança foi muito brusca para todos. Do dia para a noite não podíamos mais fazer coisas que fazíamos pessoalmente nos últimos anos: correr no calçadão da praia, ir ao cinema, tomar uma cerveja no bar, isso tudo gera um grande impacto em nossos hábitos de consumo. E não foi diferente para o mercado de eventos. Apresentamos a solução de eventos híbridos no último dia de março e temos aprimorado ela diariamente. Nesse caminho, passamos por um período de apresentação e convencimento do mercado, que demorou um pouco para reagir. Mas o poder de adaptação dos seres humanos é enorme. Hoje vemos que promotores, organizadores, clientes finais e até mesmo participantes estão mais abertos aos eventos híbridos e todas suas características. Todos os pontos analisados nos mostram avaliações extremamente altas e um alto índice de satisfação de participantes e clientes.

EBS – Quais as vantagens e desafios para montar uma estrutura própria de estúdios?

Miotto – A oportunidade de termos os estúdios na nossa base é incrível. Isso traz muita facilidade de equipamentos, internet, energia, logística e mão de obra, o que faz com que nosso serviço seja ainda mais competitivo. Tivemos que adaptar nossa estrutura para montagem dos estúdios, bem como estabelecer e seguir todos os protocolos recomendados pela OMS para receber clientes com segurança. A experiência e o resultado disso vêm sendo incríveis.

EBS – Qual o limite de eventos que a Hoffmann pode entregar simultaneamente?

Miotto – Nossa estrutura está em constante crescimento. Iniciamos com um estúdio no RJ e alguns dias depois, um estúdio em SP. Hoje já temos seis em São Paulo, quatro no Rio de Janeiro, um em Curitiba e um em Porto Alegre. Sendo que até o próximo mês de outubro chegaremos a 20 estúdios espalhados em 6 capitais. Dessa forma, poderíamos pensar que a nossa capacidade de entrega está limitada ao nosso número de estúdios, ou seja, 20 simultâneos até outubro. Porém, seguindo os aprendizados que tivemos com a prestação de serviços para TV nas últimas décadas, desenvolvemos um modelo de estúdios móveis e remotos, onde podemos montar um estúdio e entregar um evento em qualquer lugar do país em até 48h.

EBS – Quais são suas expectativas em relação a manutenção dos eventos híbridos? 

Miotto – Acreditamos que o mercado avançou alguns anos em poucos meses. Os eventos híbridos já eram uma tendência que estava na iminência de acontecer nos próximos tempos e essa pandemia encurtou esse processo. Com o tempo, certamente os eventos físicos voltarão a existir, mas os eventos híbridos vieram para ficar. Com eles, os eventos estão rompendo barreiras de público e, consequentemente, de retorno financeiro, ganhando escala e capilaridade. Definitivamente, o mercado de eventos chegou ao mundo moderno, onde estamos acostumados a ter acesso a tudo a qualquer hora, em qualquer lugar e em qualquer tipo de dispositivo.

EBS – O que se deve levar em conta para proporcionar uma experiência positiva nos eventos híbridos? 

Miotto – Interatividade. Desde a plataforma virtual até a estrutura do estúdio, nós buscamos oferecer um ambiente personalizado para a realização do evento, além de uma transmissão com gerenciamento e funcionalidades totalmente diferenciadas, através de tecnologias avançadas e mão de obra altamente qualificada. 

EBS – Você acredita que qualquer segmento pode realizar um evento híbrido? 

Miotto – Qualquer segmento pode realizar um evento híbrido, principalmente porque nenhum segmento deve parar durante o momento. Percebemos que o entretenimento foi o primeiro a reagir, através das lives musicais. Em seguida veio a capacitação, quando cursos e eventos de treinamento e desenvolvimento também começaram a surgir com força. Mas logo os demais tipos também reagiram e hoje realizamos diariamente eventos dos mais variados tipos: associativos, convenções, assembleias, lançamentos de produto, entre outros.

EBS – O mercado vem apresentando diversas soluções para transmissão dos eventos. Quais os diferenciais do modelo oferecido pela Hoffmann?

Miotto – Nossos diferenciais começam por um atendimento consultivo personalizado. Como o mundo de eventos híbridos é extremamente novo, a cabeça dos clientes está se adequando a esse novo mindset. Por isso, nosso atendimento é focado no evento presencial, para podermos enxergar e entender as ideias que o cliente está projetando para seu evento e, aí sim, trazê-las para o mundo dos eventos híbridos. Além disso, temos um profundo conhecimento técnico aplicado a eventos híbridos, misturando dois tipos de know-how: primeiro o adquirido em 40 anos de história em gerenciamento de eventos presenciais e, depois, o adquirido em duas décadas de gerenciamento e prestação de serviços na indústria televisiva nacional. E, por fim, somos o único player do mercado capaz de unificar e oferecer todas as soluções necessárias para um evento híbrido, desde a plataforma virtual, passando pela criação gráfica, até chegarmos aos estúdios.

EBS – Colocando em perspectiva, quais as apostas da empresa para os próximos meses? 

Miotto – Vemos a aceitação dos eventos híbridos melhorar a cada dia e, aos poucos, uma flexibilização das atividades do dia a dia. Falando-se em curto prazo, certamente os eventos continuarão sendo realizados através de plataformas híbridas, contando com estruturas virtuais e de estúdios. Agora, ao falarmos em médio e longo prazo acreditamos que os eventos serão híbridos, mesclando fortemente a experiência digital com a presencial.

Leia também:

EBS Virtual 2020: mais de 3 mil espectadores acompanham o evento online

Relacionados
Feira EBS Nova Data

O principal evento do setor MICE no Brasil anuncia nova data de realização

SP anuncia 10 eventos-teste para definir protocolos de retomada

No Vestiário

“ABCasa Live On” terá um mês de lives com os melhores fornecedores do Brasil

Acreditando no reaquecimento do mercado, Hilton assume Almenat em São Paulo

Figital – de onde para onde?

Alívio na pandemia: plano de recuperação para os setores de eventos e de turismo é aprovado no senado

Mais de 70% ainda desconhece a LGPD – entenda seus direitos e deveres