Página Principal Revista EBS

São 840 mil empregos ameaçados no setor de eventos no Paraná

Foto: Freepik
Entidades ligadas ao setor pedem apoio do Governo do estado para retomar às atividades

Publicado em 20/08/2020

A ameaça de desemprego foi um argumentos apresentados ao governador Ratinho Junior (PSD) por representantes do setor de eventos e recreação, ocorrida nesta quarta-feira, 19 de agosto, em carta entregue a Ratinho Junior.

“Observando a flexibilização das medidas de isolamento social de forma responsável, sempre acompanhando as determinações de avaliação de riscos dos governos, primando por um protocolo seguro, mas viabilizando nosso direito e necessidade do exercício de nossa atividade enquanto empresários, e do trabalho de cada colaborador”, diz o texto de uma carta entregue ao governador.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar), Fábio Aguayo, afirmou que o documento também será entregue aos prefeitos das principais cidades do Paraná. A ideia é levar a inspiração de outras grandes cidades, como Rio de Janeiro, São Paulo e do Nordeste, onde alguns eventos já foram retomados. O representante cita a cidade de Foz do Iguaçu, onde eventos com até 50 pessoas estão autorizados a partir desta quinta-feira, 20 de agosto.

“Nós precisamos ter coragem porque se a gente não fizer isso agora, iremos acabar com um setor muito importante na geração de dividendos para o Estado, não apenas na geração de emprego como também impostos”, afirma Aguayo.

“Entendemos a impossibilidade nesse momento da retomada de forma integral, mas precisamos urgente da sua viabilidade parcial e bem como um plano a ser seguido com o aval das autoridades. Temos que ter um norte, uma base e o amparo governamental”, ressalta Mac Lovio Solek, vice-Presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape) na região Sul, que assina o documento entregue ao governo do Paraná.

A carta encaminhada ao governo do Paraná conta com o apoio da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos – ABRAPE, unidos a CNTUR – Confederação Nacional do Turismo , o SINDIPROM – Sindicato das Empresas de Promoção e Eventos, o SINDIABRABAR – Sindicato das Empresas de Gastronomia, Entretenimento e Similares de Curitiba, a ABRABAR – Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas, e também as diversas Empresas de Formatura do Estado.

Fonte: Assessoria

Leia também:

Relacionados

Validade dos profissionais no mercado de trabalho

turismo brasileiro

5º Fórum Brasileiro de Turismo debate o crescimento do setor no pós Covid-19

Rio de Janeiro adia a reabertura de teatros, cinemas e casas de eventos

prejuízo-eventos-pandemia

Eventos: R$ 90 bilhões em prejuízo pela pandemia

mp 927

O que muda nas regras trabalhistas com o fim da MP 927

Transformação digital e o “novo normal” para o setor de eventos

CES 2019

CES, maior conferência de tecnologia do mundo, será virtual em 2021

ABRACE apresenta manual de boas práticas das empresas de cenografia e montadoras de estandes