Página Principal Revista EBS

Biometria facial deve ser tendência em eventos

Biometria Facial em Eventos
Tecnologia pode ser adotada para identificação em encontros de diversos setores

A aplicação da biometria facial como identificação, ou seja, a medição de características humanas para fins de identificação, já é uma realidade nos dias de hoje. Como meio de segurança já aplicado em alguns aeroportos do mundo, essa tecnologia deve ser tendência para o segmento MICE (Meeting, Incentive, Convention, Events).

A ferramenta pode ser uma aliada para eventos. Ao invés de burocracias com papeis e documentos, por exemplo, o reconhecimento facial pode ser um diferencial para o acesso à um grande evento.

Porém, é necessário seguir alguns passos importantes para utilizar a técnica como identificação dos participantes. A primeira providência é a criação de uma página para o registro dos interessados, onde seja solicitado o envio de uma foto atual de cada pessoa para o reconhecimento.

A foto é encaminhada para uma empresa de biometria, que será responsável por identificar as medidas faciais dos participantes. Essa informação fica salva e, quando a pessoa chega ao evento, uma câmera portátil transmite as informações via wi-fi para um banco de dados externos, capaz de comparar números e liberar o acesso dos participantes.

Além da praticidade e taxa de sucesso de 99%, a biometria facial como identificação é capaz de melhorar a experiência dos participantes e diminuir o tempo de espera nas filas para identificação – o que impacta diretamente em uma avaliação positivo sobre o evento.

Este ano, a CH Tecnologia, empresa mineira com quase 20 anos de atuação no setor de controle de acesso e soluções de identificação, em parceria com a 2BFACE, empresa brasileira especializada em soluções de reconhecimento facial, lançaram uma nova versão de integração em nuvem do Terminal de Autoatendimento – TOTEM, que oferece reconhecimento facial. O terminal tem o objetivo de eliminar as filas em recepções de diversos estabelecimentos e espaços, incluindo os eventos, que contam com uma grande circulação de pessoas.

A utilização desse tipo de tecnologia deve avançar em um futuro bem próximo, com impacto direto no mercado MICE, assim como outras áreas da sociedade.

Relacionados

Audiência Pública vai debater a retomada das atividades dos setores de eventos e turismo em São Paulo

transporte executivo

Five Transportes lança e-book com dicas sobre o transporte executivo

turismo brasileiro

5º Fórum Brasileiro de Turismo debate o crescimento do setor no pós Covid-19

Foto: Divulgação- Virgin Money Unity/ David Wala

Fãs em cercados: o novo normal dos festivais?

Os desafios de impactar o público de forma remota

Rio de Janeiro autoriza retorno de eventos de negócios

20 tendências para inovação nos negócios pós-coronavírus

Preparativos da MPI para o WEC 2020