Página Principal Revista EBS

Drone voa sozinho e é capaz de seguir pessoas

drone voa sozinho e segue pessoas
Divulgação/Skydio
Com a ajuda de algoritmos de inteligência artificial e aplicativo de celular, equipamento fica independente do controle remoto

O primeiro drone autônomo da Skydio, startup norte-americana, deve chegar ao mercado logo mais. O produto conta com 13 câmeras e consegue voar sozinho, sem o auxílio de um controle remoto, seguindo o dono por onde ele for.

O drone, chamado por R1, consegue voar sozinho graças ao uso de algoritmos de inteligência artificial e do processador Jetson TX1, da Nvidia (utilizado, inclusive, em protótipos de carros autônomos). Ele é acionado por um aplicativo de celular, onde é possível selecionar o alvo a ser seguido – inclusive, um humano.

Em entrevista ao site Business Inseder, Adam Bry, um dos fundadores da startup, disse que, embora o primeiro produto da Skydio seja direcionado à captura de fotos e vídeo, a tecnologia tem outras aplicações potenciais, incluindo mapeamento e segurança. “Nós pensamos que a tecnologia subjacente certamente poderia ser útil para aplicações comerciais mais tradicionais, mapeamento, monitoramento, segurança”, disse. “Eu acho que, a médio e a longo prazo, essas coisas também são muito interessantes para nós, há muito potencial lá, mas esse não é o foco do primeiro produto”.

A startup já está comercializando o Skydio R1 em seu próprio site, por US$ 2.5000 (aproximadamente R$ 8.230).

Drones em eventos

O drone está entre os equipamentos mais utilizados na captura de imagens e, nos últimos tempos, é responsável por expandir as oportunidades em eventos. Na área, se tornou uma ótima ferramenta na cobertura aérea de diversos lugares, cobertos ou ao céu aberto, para a criação de materiais visuais e impactar os participantes.

As funcionalidades vão além da captura de imagens. O aparelho pode ser utilizado para maravilhar seu público (com a apresentação coreográficas com show de luzes, por exemplo), ou até mesmo expor uma marca parceira. São inúmeras as possibilidades, basta usar a criatividade e, claro, verificar até onde sua ideia é tangível e dentro de possíveis normas necessárias – como as estabelecidas pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), que restringem o uso do equipamento em determinadas áreas e exigem autorização prévia, entre outros itens.

Relacionados

Feira EBS faz nova chamada de credenciamento para a 20ª edição

Afinal de contas, o que é metaverso? Especialista orienta para evitar confusão

Campus Party Brasil é adiada para novembro; evento será no Anhembi, em São Paulo

FuturePrint 2022 será presencial e volta a ser o encontro das tecnologias de impressão e fomento ao desenvolvimento do setor

Meta… o que? 55% dos americanos não sabem o que é o Metaverso, aponta pesquisa da NordVPN

Como a Alpargatas conseguiu conectar 17 mil colaboradores ao redor do mundo através de uma empresa líder de soluções em nuvem

Processo de produção em massa de robôs humanos começou! Elon Musk avisou!

Conferência Europeia UFI termina com sentimento de otimismo para o futuro do MICE