Página Principal Revista EBS

Aprender fazendo – Simular

Foto: Freepik /jannoon028
A importância do processo de aprendizagem para o sucesso do desenvolvimento.

Publicado em 29/06/2021

É IMPOSSIVEL PARA UM HOMEM APRENDER O QUE PENSA QUE JÁ SABE”
                                                                                                     EPICTETO – Filósofo Grego

Metacognição

O que quer dizer este termo?

Cognição é processo de conhecer, se conectar e aprender sobre algo novo.

Meta é um compromisso assumido consigo mesmo.

Então, a Metacognição é aprender a aprender.

Um dos grandes desafios dos profissionais que atuam na área de educação é conseguir a atenção e o engajamento dos participantes em aprender sobre algo.

E o que explica estes desafios é a falta de consciência da necessidade de aprender sobre aquele tema que será desenvolvido, porque o nível de consciência está na ignorância da sua incompetência.

Ele não sabe que não sabe. Como trazer o participante para este nível de consciência?

Um ótimo recurso são os JOGOS ESTRUTURADOS.

Confúcio já disse:
“SE EU OUÇO EU ESQUEÇO, SE EU VEJO EU LEMBRO, SE EU FAÇO EU APRENDO”

Venho com este lema em minha vida desde meu primeiro empreendimento, sempre criando possibilidades para o aprendizado espontâneo e divertido.

Na aplicação de jogos, os participantes se envolvem, tomam decisões que geram resultados.

Eles colocam de fato as “MÃOS NA MASSA”

A partir da análise dos resultados, os participantes assumem a responsabilidade por suas decisões e ações.

E assumem que:
– Agora eu sei que não sei!
– Me ensine.
– Eu não sabia que ao tomar estas decisões teriam estes resultados!

Com estes insights vem a consciência, e neste nível de consciência o engajamento para aprender sobre algo se torna mais urgente, e eles se transformam em aprendizes.

Para fundamentar vamos relembrar os estágios do aprendizado, criados na década de 70 por Noel Burch.

  • INCONSCIENTE INCOMPETENTE: Neste estágio da incompetência inconsciente, o participante não sabe que não sabe.
  • CONSCIENTE INCOMPETENTE:  Neste estágio, eles alcançam o nível de saber que não sabem alguma coisa, se tornam conscientes de sua própria incompetência, e assumem a responsabilidade de aprender sobre algo.
  • CONSCIENTE COMPETENTE: Eu sei que sei. Nesse momento, eles já desenvolveram em um determinado campo de conhecimento e se tornaram competentes nesse novo campo.
  • E o último INCONSCIENTE COMPETENTE: Nesse estágio, eles já estão na aplicação de sua nova competência com maestria. Eles passam a colocar essa competência em uso, sem perceber e sem pensar. É como dirigir um carro.

Os jogos são aplicados a milhares de anos, e o primeiro jogo que se tem notícias é o SENET. O mais antigo hieróglifo representando um jogo de SENET é datado entre 3100 e 3500 AC, o que faz dele o jogo de tabuleiro mais antigo registado pelo homem. Existem ainda outras referências que datam 5500 AC, a mais antiga encontrada do jogo (além de alguns fragmentos que algumas pessoas acreditam fazer parte do kit de SENET) é uma pintura na tumba de Hesy-Ra, um alto oficial do Egito Antigo, que viveu durante a terceira dinastia, sob o reinado do faraó Djoser, por volta de 2600 a.C. Encontraram também uma pintura da rainha Nefertari, na parede de sua tumba, jogando SENET contra um oponente que não pode ser visto na representação.

Também encontraram 5 kits dos jogos, na tumba de Tutancâmon (1336 A.C a 1327 A.C ) em 1922, quando o arqueólogo inglês Howard Carter descobriu sua tumba quase intacta no Vale dos Reis, perto da cidade egípcia de Luxor.

Os estudiosos dizem que os jogos eram usados para estudar e criar estratégias de guerra.

Também no antigo Egito este jogo pode ter adquirido uma qualidade mágica ou mística tornando-se algo como um ritual dentro de si mesmo. Acreditava-se que era preciso vencer uma partida de SENET contra o Deus Rá após a morte, para poder entrar no paraíso e talvez por isso ficou conhecido como o “Jogo de passagem da alma para outro mundo”. E possivelmente dele se originou o Gamão.

Hoje a gamificação está em alta, mas que tal saber que virou moda um recurso que já tem quase 8 mil anos?

Então com educador explore estes níveis de consciência. Se este tema te interessa, tem muitos materiais na Internet para você conhecer profundamente estes estágios.

Utilize os jogos para envolver o seu público, se divertir e criar engajamento.

A sua plateia vai agradecer, e você vai encarar seu trabalho como fonte infinita de diversão e criação.

Se este tema te interesse entre o contato comigo para “trocarmos figurinhas”.

Vem para o jogo!

Abraços.

Autor(a)

Daniel Ramirez

Diretor do GAR - Grupo Azevedo Ramirez. Inspiração do GAR: "A paixão dos amadores com Resultados Profissionais".Com a missão de despertar o potencial humano e alavancar resultados, com a aplicação de jogos corporativos, atende a mais de 150 empresas, impactando aproximadamente 15 mil profissionais.Utiliza de sua experiência executiva e empreendedora para exercitar o seu propósito em trabalhos memoráveis, com muito Conteúdo, Diversão e Design.Contato: danielramirez@gar.com.br

Relacionados

Agile Marketing para agências e clientes na AMPRO Saber

HSM Expo aposta em formato híbrido

AMPRO Saber terá curso sobre programas de Incentivo

No Vestiário

Personal Branding nas empresas: como usar marcas pessoais para alavancar negócios

Case Universal Studios irá inspirar profissionais

Seis tendências em educação digital

metamorfose

Nossas velhas certezas