Página Principal Revista EBS

Foz do Iguaçu se prepara para a retomada do turismo

Foz de Iguaçu - Divulgação
Decreto que estabelece normas sanitárias será publicado nesta sexta, 08, com previsão de reabertura lenta e gradual

Publicado em 07/05/2020

Foz do Iguaçu, um dos principais destinos turísticos do Brasil, começa a preparar a retomada gradativa das atividades no turismo, com adoção de protocolo de segurança sanitária.

A boa notícia foi anunciada em 07 de maio, pelo prefeito Chico Brasileiro durante reunião com os empresários do setor.

No encontro realizado no Centro Integral de Desenvolvimento de Foz, o prefeito informou que o plano inclui como primeira etapa o decreto que estabelece protocolos de segurança sanitária para os empreendimentos da hotelaria, atrativos turísticos, gastronomia, eventos, transporte turísticos e agências de viagens.

Foz do Iguaçu foi pioneira na adoção de medidas, como a obrigatoriedade do uso de máscaras, e agora elaboramos as normas sanitárias para que as atividades comecem pouco a pouco, com segurança, e a retomada mais forte do turismo aconteça a partir do dia 10 de junho, no aniversário da cidade. Novamente sairemos na frente para que o destino esteja preparado para receber os visitantes”, disse Brasileiro.

As normas do decreto foram elaboradas pelas Secretarias de Saúde e Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos através de sugestões do setor e com apoio do Sebrae, Conselho Municipal de Turismo, (Comtur), Sindhoteis e Visit Iguassu.

Os meios de hospedagem que se adequarem às normas poderão reabrir a partir do dia 11 de maio. Os hotéis devem assinar o Termo de Responsabilidade Sanitária. A previsão inicial é atender representantes comerciais que visitam a cidade a negócios. Já os Resorts estão programados para reabrir dia 10 de junho.

Entre as medidas sanitárias estabelecidas para os meios de hospedagem estão a obrigatoriedade do uso de máscaras, distanciamento social, higienização de objetos, reforço na limpeza e higienização dos leitos e outros espaços, disponibilização de álcool em gel, fornecimento de EPI para colaboradores e evitar a aglomeração dos funcionários nas trocas de turno.

As medidas ainda preveem outros cuidados específicos na rede hoteleira nos espaços de lazer, na área gastronômica, recepção e também o uso de capas de proteção para travesseiros e colchões, que devem ser substituídas e higienizadas a cada troca de hóspedes ou rodízio de apartamentos na impossibilidade da utilização de capas.

“A cidade apresenta um protocolo que garante maior índice de segurança para a pessoa que visita nosso destino e para que os setores do turismo possam aplicar”, destacou o vice-prefeito e secretário de Saúde, Nilton Bobato.

Os hotéis também deverão realizar o monitoramento de casos suspeitos através da medição de temperatura ou informando ao Plantão Coronavírus de Foz a existência de hóspedes e colaboradores com sintomas.

“É um documento construído de forma democrática e com participação de todos representantes do setor. O decreto foi elaborado com base em termos práticos e funcionais, que garanta segurança para quem visita o destino, e ao mesmo tempo não onere os custos operacionais, a ponto de inviabilizar os empreendimentos”, afirma o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla.

Atrativos, gastronomia, transporte e agências

Para a retomada da visitação, prevista para o dia 10 de junho, com base no índice epidemiológico atual, os atrativos turísticos deverão cumprir normas, dentre as quais destacam-se: barreira sanitária, com tapete sanitizante ou túnel de ozônio, obrigatoriedade do uso de máscara para colaboradores e turistas, disponibilização de dispensers de álcool gel 70% em locais estratégicos, distanciamento em filas para arquivos de ingresso ou embarque em transporte, limitar 30% da capacidade de público (atrativos em ambientes fechados e lojas), higienização de objetos e locais de circulação dos visitantes e priorizar a ventilação natural nos veículos de transporte de turistas.

As empresas de transporte devem seguir medidas de higienização e limpeza do ar condicionado e outras partes internas dos veículos. As agências de viagens e operadoras também precisam cumprir normas de higienização e distanciamento, além de exigirem a assinatura do Termo de Responsabilidade Sanitária de fornecedores de produtos e serviços.

Os empreendimentos gastronômicos devem manter cuidados de higienização para os clientes, distanciamento de mesas e cuidados específicos para servir a refeição e bebidas.

Eventos a partir de julho

O decreto estabelece ainda que para a realização de eventos será obrigatório o uso de máscaras, disposição de recipientes de álcool em gel para higienização nos acessos ao espaço, colocação de tapetes sanitizantes, limitação de participantes a 30% da capacidade do local, distanciamento de dois metros entre mesas e incentivar o credenciamento e o check-in eletrônico.

A precisão é que os eventos de pequeno porte já possam ser realizados, a partir de 28 de julho.

“O setor esperava o protocolo sanitário. A partir disso as empresas vão se preparar para atender o público com a adoção das normas. Numa próxima etapa os empreendimentos já poderão anunciar a reabertura para o mercado de vendas e trabalharem para atrair visitantes”, observou o presidente do Comtur, Carlos Silva.

Fonte: Assessoria

Leia também:

Tags:

Relacionados
transporte executivo

Five Transportes lança e-book com dicas sobre o transporte executivo

turismo brasileiro

5º Fórum Brasileiro de Turismo debate o crescimento do setor no pós Covid-19

Foto: Divulgação- Virgin Money Unity/ David Wala

Fãs em cercados: o novo normal dos festivais?

Os desafios de impactar o público de forma remota

Rio de Janeiro autoriza retorno de eventos de negócios

Preparativos da MPI para o WEC 2020

Transformação digital e o “novo normal” para o setor de eventos

CES 2019

CES, maior conferência de tecnologia do mundo, será virtual em 2021