Página Principal Revista EBS

Segurança jurídica para o setor de eventos com nova Medida Provisória

Foto: Photoangel / Freepik
A Nova Medida Provisória é extremamente necessária, pois prevê o auxílio a mais de 50 mil promotores de eventos

Publicado em 22/02/2022

Segurança jurídica. Esse é o principal benefício da Medida Provisória Nº 1.101, publicada na edição desta terça (22) do Diário Oficial e que restabelece as regras para o cancelamento ou remarcação de eventos nas áreas de turismo, cultura e entretenimento prejudicados pela pandemia de Covid-19, aponta a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos – ABRAPE.

A vigência da antiga MP que tratava do tema havia expirado em 31 de dezembro e vinha gerando um um cenário de incertezas no setor. 

“É uma medida necessária e justa, que serve como alento para os promotores de mais de 50 mil eventos que deixaram de acontecer em dezembro, janeiro e fevereiro e dos que não serão realizados no Carnaval e nos próximos meses”, salienta o empresário e presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos – ABRAPE, Doreni Caramori Júnior. 

A nova MP desobriga as empresas de reembolsar os valores pagos pelos consumidores, desde que assegurem a remarcação dos serviços, eventos ou reservas adiados ou cancelados, ou disponibilizem crédito para uso na compra de outros serviços da empresa. O consumidor que optar pelo reembolso de serviço ou evento adiado ou cancelado até 31 de dezembro de 2022 poderá usá-lo até 31 de dezembro de 2023. Se optar pela remarcação da data, o prazo limite para fazer isso é o mesmo.

Além disso, se a empresa não conseguir remarcar o evento ou disponibilizar o crédito na forma prevista, terá que devolver o valor recebido pelo consumidor até 31 de dezembro de 2023. A MP determina, também, que artistas, palestrantes e outros profissionais contratados até 31 de dezembro de 2022, com eventos adiados ou cancelados, não serão obrigados a reembolsar imediatamente os valores dos serviços ou cachês, desde que o evento seja remarcado e realizado até 31 de dezembro de 2023.

A desoneração fiscal para o setor de eventos

No entanto, para o presidente da ABRAPE, a MP ajuda o segmento a se organizar, mas é fundamental a implementação de medidas de desoneração fiscal para que as empresas superem os dois anos de atividades restritas ou paralisadas. P

ara isso, é fundamental que o Congresso derrube os vetos do Governo Federal ao Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos – PERSE, instituído pela lei 14.148/2021 para atender o segmento mais impactado pela pandemia do coronavírus (Covid-19). 

Os vetos, que serão apreciados em sessão conjunta das duas casas legislativas, abrangem:

  • desoneração fiscal para empresas do setor, com isenção de tributos como PIS/Pasep, Cofins, Contribuição Social, sobre o Lucro Líquido (CSLL) e Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ), por 60 meses;
  • indenização para empresas do segmento que tiveram redução superior a 50% do faturamento entre 2019 e 2020;
  • criação de novas fontes de recursos para manutenção do programa – como a emissão de títulos da dívida pública;
  • destinação de 3% do produto da arrecadação das loterias para cumprimento das ações do PERSE.

A desoneração fiscal, ressalta Doreni Caramori Júnior, é a única ferramenta real de apoio, pois torna possível para as empresas, que ficaram paradas e mergulhadas em contas impagáveis, elaborarem um plano de retomada.

Relacionados

Lideranças avaliam turismo corporativo em 2022

Maior feira de soluções para saúde do mundo realiza primeira edição presencial no Brasil

Feira EBS anuncia 80% de comercialização da planta 2022

Eventos cadastrados no Calendário do MTur mais que triplica em dois meses

Feira da Indústria da Mineração BRASMIN será em maio

Alexis Pagliarini fará a Fala Magna no World Creativity Day 2022

ESTÉTICA IN RIO mostra um mercado propício aos bons negócios

GL events tem nova estrutura organizacional no Brasil