Página Principal Revista EBS

Segurança jurídica para o setor de eventos com nova Medida Provisória

Foto: Photoangel / Freepik
A Nova Medida Provisória é extremamente necessária, pois prevê o auxílio a mais de 50 mil promotores de eventos

Publicado em 22/02/2022

Segurança jurídica. Esse é o principal benefício da Medida Provisória Nº 1.101, publicada na edição desta terça (22) do Diário Oficial e que restabelece as regras para o cancelamento ou remarcação de eventos nas áreas de turismo, cultura e entretenimento prejudicados pela pandemia de Covid-19, aponta a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos – ABRAPE.

A vigência da antiga MP que tratava do tema havia expirado em 31 de dezembro e vinha gerando um um cenário de incertezas no setor. 

“É uma medida necessária e justa, que serve como alento para os promotores de mais de 50 mil eventos que deixaram de acontecer em dezembro, janeiro e fevereiro e dos que não serão realizados no Carnaval e nos próximos meses”, salienta o empresário e presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos – ABRAPE, Doreni Caramori Júnior. 

A nova MP desobriga as empresas de reembolsar os valores pagos pelos consumidores, desde que assegurem a remarcação dos serviços, eventos ou reservas adiados ou cancelados, ou disponibilizem crédito para uso na compra de outros serviços da empresa. O consumidor que optar pelo reembolso de serviço ou evento adiado ou cancelado até 31 de dezembro de 2022 poderá usá-lo até 31 de dezembro de 2023. Se optar pela remarcação da data, o prazo limite para fazer isso é o mesmo.

Além disso, se a empresa não conseguir remarcar o evento ou disponibilizar o crédito na forma prevista, terá que devolver o valor recebido pelo consumidor até 31 de dezembro de 2023. A MP determina, também, que artistas, palestrantes e outros profissionais contratados até 31 de dezembro de 2022, com eventos adiados ou cancelados, não serão obrigados a reembolsar imediatamente os valores dos serviços ou cachês, desde que o evento seja remarcado e realizado até 31 de dezembro de 2023.

A desoneração fiscal para o setor de eventos

No entanto, para o presidente da ABRAPE, a MP ajuda o segmento a se organizar, mas é fundamental a implementação de medidas de desoneração fiscal para que as empresas superem os dois anos de atividades restritas ou paralisadas. P

ara isso, é fundamental que o Congresso derrube os vetos do Governo Federal ao Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos – PERSE, instituído pela lei 14.148/2021 para atender o segmento mais impactado pela pandemia do coronavírus (Covid-19). 

Os vetos, que serão apreciados em sessão conjunta das duas casas legislativas, abrangem:

  • desoneração fiscal para empresas do setor, com isenção de tributos como PIS/Pasep, Cofins, Contribuição Social, sobre o Lucro Líquido (CSLL) e Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ), por 60 meses;
  • indenização para empresas do segmento que tiveram redução superior a 50% do faturamento entre 2019 e 2020;
  • criação de novas fontes de recursos para manutenção do programa – como a emissão de títulos da dívida pública;
  • destinação de 3% do produto da arrecadação das loterias para cumprimento das ações do PERSE.

A desoneração fiscal, ressalta Doreni Caramori Júnior, é a única ferramenta real de apoio, pois torna possível para as empresas, que ficaram paradas e mergulhadas em contas impagáveis, elaborarem um plano de retomada.

https://www.revistaebs.com.br/inovacao-e-tecnologia/zoom-expo-pretende-simular-a-experiencia-do-presencial-no-ambiente-virtual/
Relacionados

Janine De Nes, CFO Latam da RX, assume posição na UBRAFE com foco em ampliar participação feminina no setor de eventos

ABEOC Brasil lança Jornada de Líderes – programa de gestão exclusivo

Feira EBS 2024 anuncia 95% das áreas comercializadas e destaca patrocinadores

Dados da Fazenda sobre o PERSE estão incompletos – números apresentam custo efetivo menor